Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Consumo de cocaína altera o cérebro dos viciados

Estudo comparou o cérebro de viciados com o de pessoas sem histórico do consumo de drogas e notou diminuição da massa dos lóbulos frontais

Por Da Redação - 21 jun 2011, 13h18

Cientistas da Grã-Bretanha encontraram grandes anomalias no cérebro de pessoas viciadas em cocaína. Exames cerebrais mostraram grande diminuição da massa nos lóbulos frontais, região responsável pela capacidade de decidir, pela memória e a atenção. De acordo com os especialistas, essa diferenciação poderia explicar o comportamento compulsivo normalmente associado ao consumo da droga.

De acordo com Karen Ersche, da Universidade de Cambridge, na Inglaterra, e coordenadora do estudo publicado na revista Brain, quanto mais tempo um indivíduo consumir cocaína, maior será seu déficit de atenção. A procura pela droga também tende a ser mais incontrolável com o passar do tempo. “A maioria dos consumidores de cocaína são pessoas inteligentes, que, apesar disso, chegam a todo tipo de extremos para comprar a droga, mesmo colocando em risco trabalho, profissão e família”, diz Karen.

Na pesquisa, a equipe de cientistas examinou os cérebros de 60 indivíduos dependentes de cocaína e os comparou com os de 60 pessoas que não tinham nenhum histórico de consumo de drogas e identificou as grandes anomalias. Além da redução da massa na crosta orbitofrontal, as outras áreas afetadas são a ínsula, que desempenha um importante papel na aprendizagem e na sensação de ansiedade, e o cíngulo, responsável pelos processos emocionais e pela atenção.

(Com agência Efe)

Publicidade