Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Composto químico presente em embalagens de alimentos está associado a doenças cardiovasculares

Por Da Redação 4 set 2012, 19h00

A exposição a um composto químico utilizado na fabricação de produtos domésticos comuns, como lubrificantes, ceras, revestimentos de papel e embalagens de alimentos (de pipocas de micro-ondas, por exemplo), pode desencadear doenças cardiovasculares, segundo um estudo da Universidade de West Virgínia, nos Estados Unidos. Trata-se do ácido perfluoro-octanóico, que, conforme o artigo, está presente na corrente sanguínea de 98% da população americana. Os resultados foram publicados nesta segunda-feira no periódico Archives of Internal Medicine.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Perfluorooctanoic Acid and Cardiovascular Disease in US Adults

Onde foi divulgada: revista Archives of Internal Medicine

Quem fez: Anoop Shankar, Jie Xiao e Alan Ducatman

Continua após a publicidade

Instituição: Universidade de West Virgínia, Estados Unidos

Dados de amostragem: 1.216 adultos

Resultado: Maiores níveis na corrente sanguínea do composto químico ácido perfluoro-octanóico, utilizado na fabricação de produtos domésticos comuns, como lubrificantes, ceras, revestimentos de papel e embalagens de alimentos, estão ligados à incidência de doenças cardiovasculares

Os autores desse estudo selecionaram 1.216 pessoas que estavam inscritas no Observatório Nacional de Exames em Saúde e Nutrição (Nhanes, na sigla em inglês) entre 1999 e 2004. Eles descobriram que existe uma relação direta entre maiores níveis do composto químico no sangue dos participantes e incidência de doenças cardiovasculares. A associação foi observada mesmo após serem levados em consideração fatores como idade, sexo, peso, pressão arterial e taxa de colesterol na corrente sanguínea.

“Nossos resultados contribuem para as evidências crescentes de que o ácido perfluoro-octanóico prejudica a saúde. No entanto, como o estudo foi observacional, não podemos determinar se essa relação foi causal”, escreveram os autores. Segundo ele, é muito importante identificar novos fatores de risco para as doenças cardiovasculares, por representarem um grande problema de saúde pública.

“Faria sentido eliminar ou limitar o uso do ácido perfluoro-octanóico na indústria por meio da legislação e regulação, e melhorar as técnicas de purificação da água”, disse Debrabata Mukherjee, do Centro de Ciência e Saúde da Universidade Texas Tech, que não participou do estudo.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)