Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Cirurgia bariátrica pode prolongar vida de obesos

Risco de vida caiu 50% em período analisado

Por Da Redação 1 fev 2011, 13h09

“Cirurgias bariátricas podem reduzir o peso a um nível que é muito difícil alcançar com as estratégias comuns adotadas para tratar os obesos” – Luca Busetto, pesquisador da Universidade de Padova, Itália

Cirurgias para a redução do estômago podem prolongar o tempo de vida dos obesos, segundo um estudo publicado na edição on-line do periódico Annals of Surgery. Pesquisadores italianos descobriram que o risco de vida de quem foi submetido a uma cirurgia caiu pela metade no período entre sete e oito anos que durou o estudo.

“Cirurgias bariátricas podem reduzir o peso a um nível que é muito difícil alcançar com as estratégias comuns adotadas para tratar os obesos”, disse o pesquisador Luca Busetto, da Universidade de Padova, na Itália. Segundo Busetto, o procedimento pode salvar a vida de pessoas com obesidade mórbida, que têm três vezes mais chances de morrer do que as pessoas que possuem o peso normal, por conta de problemas relacionados ao excesso de peso, como hipertensão e diabetes.

No caso da cirurgia conhecida como by-pass gástrico, o estômago do paciente, que normalmente possui o tamanho de uma bola de futebol, é reduzido para o equivalente a uma bola de golfe. Esse estômago menor também é ligado diretamente ao intestino delgado, limitando a absorção de calorias. A banda gástrica ajustável é uma prótese de silicone colocada na parte de cima do estômago, que faz os pacientes sentirem-se saciados mais rapidamente.

Para chegar aos resultados, Antonio Pontiroli e Alberto Morabito, da Universidade de Milão, revisaram a literatura médica dos procedimentos de by-pass gástrico e a banda gástrica ajustável. Eles identificaram oito pesquisas, que somaram 44.000 homens e mulheres, sendo que cerca de 14.000 pacientes fizeram uma cirurgia bariátrica.

Em todos os estudos, os pesquisadores registraram 3.300 mortes: 2,8% daqueles que tinham feito o procedimento e 9,7% entre os pacientes que não fizeram a cirurgia bariátrica – o que significa que quem faz a cirurgia tem 45% menos chances de morrer no prazo analisado.

Busetto observou que o by-pass gástrico prevê a perda de peso mais rápida do que com a banda gástrica ajustável. Por outro lado, o desvio é irreversível e aumenta as chances de complicações graves ou mortes relacionadas à cirurgia. Segundo Busetto, esses riscos são pequenos: um em cada mil pacientes morre devido a um by-pass gástrico.

Segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SCBM), em 2010 foram realizadas cerca de 60.000 cirurgias bariátricas no Brasil. Também de acordo com SCBM, a taxa de mortalidade em pessoas que realizam a cirurgia bariátrica é de 0,28%.

(Com Agência Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade