Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Cigarro com baixo teor de nicotina não eleva a vontade de fumar, diz estudo

Pesquisa constatou que pessoas não aumentaram frequência do tabagismo depois de passar a fumar cigarros com menos nicotina

Por Da Redação 22 ago 2014, 19h07

Cigarros com níveis reduzidos de nicotina não fazem com que os fumantes fumem mais, segundo um estudo publicado nesta sexta-feira no periódico Cancer Epidemiology, Biomarkers & Prevention.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Reduced Nicotine Cigarettes: Smoking Behavior and Biomarkers of Exposure among Smokers Not Intending to Quit​

Onde foi divulgada: periódico Cancer Epidemiology, Biomarkers & Prevention.

Quem fez: David Hammond e Richard J. O’Connor

Instituição: Universidade de Waterloo, no Canadá​

Continua após a publicidade

Resultado: Reduzir a quantidade de nicotina dos cigarros não faz com que os tabagistas fumem mais cigarros para saciar o vício em nicotina.

A pesquisa contou com a participação de 72 adultos fumantes com idades entre 18 e 65 anos. Na primeira semana do estudo, os voluntários fumaram cigarros com 1,2 mg de nicotina. Nas três semanas seguintes, a quantidade da substância diminuiu progressivamente: 0,6 mg, 0,3 mg e 0,05 mg. A cada sete dias, eram recolhidas amostras de urina e realizados testes de “bafômetro”, em que se media o nível de monóxido de carbono no indivíduo.

Durante o estudo, o número de tragos e de cigarros consumidos pelos participantes não mudou. Também não se alteraram os níveis de monóxido de carbono e de 1-hidroxipireno – composto presente no cigarro que pode causar câncer.

Leia também:

Fumar na gravidez eleva risco de bebê ter déficit de atenção

Anvisa quer padronizar embalagens de cigarro

Lei – Nos Estados Unidos, a Lei do Tabaco de 2009 determinou que o teor de nicotina dos cigarros fosse reduzido a quantidades insignificantes. “Acreditava-se que, depois dessa lei, os tabagistas fumariam mais para saciar a vontade de nicotina”, diz o coautor do estudo, David Hammond, professor na Faculdade de Saúde Pública e de Sistema de Saúde da Universidade de Waterloo, no Canadá. “O estudo sugere que isso pode não ser verdade.” Segundo ele, a pesquisa “pode ajudar as entidades reguladoras a antecipar as possíveis consequências da redução da nicotina nos cigarros”.

Continua após a publicidade
Publicidade