Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Cientistas testam novo tratamento contra esclerose múltipla

Primeira fase de testes clínicos da terapia experimental mostrou que abordagem é segura e, diferentemente dos tratamentos disponíveis hoje, não debilita o sistema imunológico do paciente

Uma equipe internacional de cientistas está testando uma nova abordagem para tratar pessoas com esclerose múltipla, uma doença autoimune cuja causa é desconhecida e para a qual não existe cura. Os resultados da primeira fase dos testes mostraram que a terapia experimental é promissora por atenuar os sintomas da doença sem que o sistema imunológico do paciente seja debilitado, o que é um efeito adverso dos tratamentos disponíveis atualmente. Os responsáveis por essa pesquisa acreditam que a terapia também poderia ser aplicada para tratar outras doenças autoimunes e alérgicas. O estudo completo foi publicado nesta quarta feira na revista Science Translational Medicine.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Antigen-Specific Tolerance by Autologous Myelin Peptide-Coupled Cells: A Phase 1 Trial in Multiple Sclerosis

Onde foi divulgada: periódico Science Translational Medicine

Quem fez: Andreas Lutterotti, Sara Yousef, Andreas Sputtek, Klarissa Stürner, Jan-Patrick Stellmann, Petra Breiden, Stefanie Reinhardt, Christian Schulze, Maxim Bester, Christoph Heesen, Sven Schippling, Stephen Miller, Mireia Sospedra w Roland Martin

Instituição: Universidade Hamburg-Eppendor, Alemanha; Universidade Médica de Insbruque, Áustria; Hospital Universitário de Zurique, Suíça; Universidade Northwestern, Estados Unidos

Dados de amostragem: 9 pacientes com esclerose múltipla

Resultado: Pesquisadores injetaram antígenos de mielina no organismo de pessoas com esclerose múltipla, que se tornaram tolerantes a eles e passaram a atacar menos a mielina. Com isso, os sintomas da esclerose múltipla são reduzidos, mas o sistema imunológico não é afetado.

Uma doença autoimune ocorre quando o sistema imunológico de uma pessoa reconhece como inimigo e passa a atacar o seu próprio organismo. No caso da esclerose múltipla, o sistema de defesa do paciente provoca danos ou a destruição da mielina, uma substância que envolve e protege as fibras nervosas do cérebro, da medula espinhal e do nervo óptico. Quando isso acontece, são formadas áreas de cicatrização (ou escleroses) e aparecem diferentes sintomas sensitivos, motores e psicológicos, que vão desde dormência nos membros até paralisia ou perda da visão.

Os tratamentos atuais para a doença inibem o sistema imunológico com o objetivo de diminuir o “ataque” à mielina. Embora a terapia reduza os sintomas da doença, ela fragiliza o sistema de defesa do corpo dos pacientes, aumentando o risco de eles desenvolverem doenças graves, como o câncer.

Um novo caminho – Essa nova pesquisa foi desenvolvida por pesquisadores da Alemanha, Áustria, Suíça e Estados Unidos. A primeira fase dos testes clínicos (ao todo, são necessárias três etapas para que um tratamento se prove eficaz) foi realizada na Alemanha, com nove pacientes que apresentavam esclerose múltipla.

Leia também:

Nanotecnologia pode barrar avanço da esclerose múltipla

Testes comprovam eficácia de novo medicamento para esclerose múltipla

“Meu DNA é a vontade”, diz empresário portador de esclerose múltipla

A equipe usou células de glóbulos brancos dos participantes para “injetar” bilhões de antígenos de mielina em seu organismo. O objetivo era que o sistema imunológico dos pacientes os reconhecesse como inofensivos e desenvolvesse uma tolerância. O tratamento conseguiu reduzir a reatividade do sistema imunológico à mielina de 50% a 75%.

De acordo com o estudo, os participantes que receberam a dose mais alta de células de glóbulos brancos com o antígeno tiveram a maior redução na destruição da mielina. Os resultados mostraram que o tratamento é seguro e bem tolerado. A injeção intravenosa não provocou efeitos adversos e os pacientes não tiveram uma recaída, e sua imunidade a patógenos não foi afetada.

“Nosso enfoque deixa intacta a função do sistema imunológico normal. O tratamento detém a resposta autoimune que já está ativada e previne a ativação de novas células autoimunes”, diz Stephen Miller, professor de microbiologia e imunologia da Escola de Medicina da Universidade Northwestern, Estados Unidos, e um dos autores do estudo.

Segundo os cientistas, porém, é preciso lembrar que o número de pacientes nesse teste foi pequeno e ainda não é possível determinar se o tratamento previne, de fato, a progressão da esclerose múltipla. Por esse motivo, é preciso que sejam concluídas as próximas etapas da pesquisa clínica.

Utilidades – De acordo com o pesquisador, estudos não clínicos (feitos com animais ou culturas de células) anteriores apontaram que a terapia também é eficaz no tratamento do diabetes tipo 1, da asma e da alergia ao amendoim.

(Com Agência France Presse)