Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Cientistas divulgam parecer com recomendações para evitar novas pandemias

As propostas incluem conservação ambiental e distanciamento de animais que servem como hospedeiros para vírus

Por Simone Blanes 19 ago 2021, 18h57

Liderados pelo Instituto de Saúde Global da Universidade Harvard, nos Estados Unidos, pesquisadores ligados aos setores de clima e saúde lançaram um parecer com recomendações para o mundo encarar e se prevenir de uma nova pandemia. O relatório elaborado por cientistas de diversos países diz que para se precaver e evitar novos surtos de doenças com perdas globais tais como as provocadas pelo novo coronavírus, é fundamental que se façam investimentos na conservação de florestas e na mudança das práticas agrícolas e econômicas. O parecer ainda recomenda uma integração de ações de conservação ambiental e o fortalecimento dos sistemas de saúde em todo o mundo.

 De acordo com os pesquisadores, a melhor maneira de prevenir e reagir às novas pandemias e doenças zoonóticas depende diretamente da preservação florestal, principalmente nos trópicos, maior biossegurança para animais silvestres e de pecuária nas fazendas, além de ações em plataformas de One Health – saúde coletiva – que relacionam informações e conhecimentos em saúde pública, problemas ambientais e veterinária. Além disso, o relatório aconselha que se reduza o contato de seres humanos com animais hospedeiros de vírus. 

O parecer explica ainda que o custo econômico desses investimentos é bem menor do que o dispendido para tentar conter uma pandemia. Ações de conservação ambiental como o fim do desmatamento e o tráfico de animais silvestres geram despesas inferiores as que são gastas durante imposições de lockdowns, por exemplo. Segundo o relatório, o gasto para a prevenção – cerca de US$ 22 bilhões por ano –  equivale a 2% das perdas econômicas globais provocada pela pandemia da Covid-19. Isso sem levar em conta os gastos com tratamentos, internações e campanhas de vacinação.

Confira o avanço da vacinação no Brasil: 

Continua após a publicidade

Publicidade