Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Cidade do Rio de Janeiro retoma a campanha de vacinação contra Covid-19

A vacinação estava suspensa havia dois dias por falta de imunizante. O calendário da semana que vem ainda não foi definido

Por Simone Blanes
Atualizado em 16 ago 2021, 20h55 - Publicado em 13 ago 2021, 15h22

Depois de suspender durante dois dias a aplicação de primeiras doses da vacina contra a Covid-19, a cidade do Rio de Janeiro retomou a vacinação nesta sexta-feira, 13. Pela manhã, os postos de vacinação atenderam mulheres de 24 anos e, à tarde, é a vez dos homens da mesma idade. No sábado, 14, serão imunizadas as pessoas com 23 anos, no mesmo esquema de horários. A retomada da vacinação foi possível graças ao recebimento de 92.120 doses de vacinas da Coronavac e 58.512 unidades da Pfizer. A segunda dose e a repescagem para pessoas com mais de 45 anos, gestantes, lactantes e puérperas com bebês até 45 dias permanecem, mas essa lacuna prejudicou o esquema de vacinação da capital fluminense.

LEIA TAMBÉM: Dados de vida real atestam: vacina boa contra a Covid-19 é vacina no braço

O calendário para a próxima semana ainda não foi divulgado pela prefeitura do Rio porque depende do recebimento de mais vacinas do Ministério da Saúde. Espera-se que os imunizantes cheguem até domingo 15. O prefeito Eduardo Paes voltou a pedir mais doses das vacinas ao Ministério da Saúde pelo twitter na quinta-feira 12, já que o governo federal teria em estoque 11 milhões de doses.

Não é a primeira vez que o calendário de imunização do Rio é prejudicado pelas lacunas de envio do Ministério da Saúde. No sábado 7, os pontos de vacinação abriram com atraso por conta das vacinas, previstas para chegar na quinta-feira 5, só desembarcarem na capital fluminense na noite de sexta-feira 6.

Com o avanço da variante delta, a cidade do Rio registrou 91% de ocupação nas UTIs e 57 pessoas na fila para internação. Segundo uma pesquisa da prefeitura, 95% dos doentes internados não tomaram nem a primeira dose. O ministro da saúde, Marcelo Queiroga, havia prometido aumentar os repasses das vacinas ao Rio em 5%, o que ainda não aconteceu. Eduardo Paes também chegou a fazer um apelo ao governador de São Paulo, João Doria, para o envio de doses da Coronavac, produzidas pelo Instituto Butantan, sem passar pelo Ministério da Saúde. Doria respondeu dizendo que a demora era do repasse aos estados brasileiros e que São Paulo também enfrenta a falta de imunizantes, mesmo comprando doses extras da Coronavac.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.