Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

China já registra dez mortes por gripe aviária. ONU demonstra preocupação

Representantes de órgão das Nações Unidas alertaram para o risco de países vizinhos à China entrarem em contato com o H7N9, que já infectou 39 pessoas

Por Da Redação 11 abr 2013, 17h59

A China confirmou nesta quinta-feira a décima morte em decorrência do H7N9, uma nova cepa do vírus da gripe aviária. Segundo a agência de notícias oficial do governo do país, a vítima vivia em Xangai, onde ocorreram vários dos outros 38 casos de infecção registrados desde o final de março. Embora o vírus tenha se restringido, até o momento, ao leste da China, a Organização para a Alimentação e Agricultura da ONU, a FAO, manifestou a preocupação de que o H7N9 se espalhe para outros países.

A fonte exata da infecção continua desconhecida, mas amostras apontaram resultados positivos em algumas aves comercializadas em mercados avícolas, os quais continuam sendo o foco das investigações do governo chinês e da FAO.

Leia também:

China confirma a nona morte por gripe aviária

China fecha mercados de aves vivas para conter novo vírus

OMS não vê indício de transmissão humana da gripe aviária

“Essa região em particular (o Sudeste Asiático) está ligada por terra (à China), então há a possibilidade de que se, inadvertidamente ou advertidamente, alguém levar aves contaminadas através das fronteiras, podemos antever a difusão do vírus”, afirmou Subhash Morzaria, gerente regional do Centro Emergencial para Zoonoses Transfronteiriças, um departamento da FAO. “Estamos iniciando programas de vigilância em países vizinhos como Mianmar, Laos e Vietnã, que fazem fronteira com a China e estão particularmente sob risco, e estamos tentando entender como o movimento de aves tem ocorrido para que possamos identificar com maior precisão onde o risco está”, disse.

O novo vírus causa sintomas graves na maioria dos humanos e há temores de que ele provoque uma pandemia caso adquira a capacidade de passar de uma pessoa para outra – algo que, até agora, aparentemente não ocorreu.

(Com agência Reuters)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)