Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

China investiga se nova gripe aviária é transmitida entre humanos

Desde o fim de março, autoridades chinesas já confirmaram 82 casos de infecção pelo vírus H7N9 no país, sendo que 17 deles resultaram em morte

Autoridades de saúde da China disseram, nesta quarta-feira, que estão investigando a possibilidade de transmissão entre humanos da nova cepa do vírus da gripe aviária, o H7N9. De acordo com Felipe Zijian, diretor do centro de emergências do Centro de Controle e Prevenção de Doenças do país, estão sendo avaliados, por exemplo, casos de infecção pelo vírus em membros da mesma família. Desde o fim de março, a China já confirmou 82 pessoas infectadas pelo H7N9, sendo que 17 delas morreram.

“Nós ainda estamos analisando com profundidade para descobrirmos quais são as principais possibilidades – se a infecção ocorreu primeiramente de ave para humano e depois de humano para humano, por exemplo. E se as pessoas infectadas têm um histórico comum de exposição: se entraram em contato com os mesmos objetos ou se o contágio ocorreu por meio do ambiente”, disse Zijian.

Zijian ressaltou, porém, que ainda não há indícios de que o H7N9 é transmitido de uma pessoa para outra – reforçando o que a Organização Mundial de Saúde (OMS) havia assegurado na última semana.

Leia também:

China fecha mercados de aves vivas para conter novo vírus

Novo surto de gripe aviária na China chega a Pequim

Gripe aviária chega a outra província chinesa e país soma 13 mortes

Segundo informou nesta quarta-feira o jornal chinês China Daily, Zeng Guang, cientista-chefe encarregado de epidemiologia no Centro de Controle e Prevenção de Doenças da China, disse que cerca de 40% das pessoas infectadas pelo H7N9 não tinham nenhum histórico claro de exposição a aves. “Como essas pessoas são infectadas? É um mistério”, disse Zeng, segundo o jornal. No mesmo dia, Gregory Hartl, porta-voz da OMS, confirmou que, de fato, algumas dessas vítimas não entraram em contato com os animais, mas não confirmou a porcentagem.

(Com agência Reuters)