Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Células-tronco retiradas na lipoaspiração podem originar vasos sanguíneos

Vasos sanguíneos criados a partir dessas células-tronco podem ser usados em procedimento de enxerto, como a ponte de safena

Por Da Redação 26 jul 2012, 08h58

Células-tronco extraídas do corpo durante uma lipoaspiração podem ser usadas para dar origem a vasos sanguíneos saudáveis. De acordo com um estudo apresentado durante evento anual da Associação Americana do Coração, essas células podem ser usadas para a criação de vasos de pequeno diâmetro, essenciais em procedimentos de ponte de safena – que, normalmente, usam vasos artificiais ou retirados de outras partes do corpo.

Saiba mais:

CÉLULA-TRONCO

Também chamadas de células-mãe, as células-tronco podem se transformarem em qualquer um dos tipos de células do corpo humano e dar origens a outros tecidos, como ossos, nervos, músculos e sangue. Dada essa versatilidade, elas vêm sendo testadas na regeneração de tecidos e órgãos de pessoas doentes.

“Os vasos sanguíneos derivados das células da lipoaspiração e crescidos em laboratório podem se tornar uma reserva importante para procedimentos como enxerto de vasos sanguíneo”, diz Matthias Nollert, coordenador do estudo e professor da Universidade de Oklahoma, nos Estados Unidos. Segundo o pesquisador, os enxertos de vasos com diâmetros pequenos que são usados atualmente têm um risco inerente de coagulação, podendo ser rejeitados ou não funcionarem normalmente.

Continua após a publicidade

Leia também:

Ponte de safena garante maior sobrevivência do que angioplastia, afirma maior pesquisa do gênero

“Os vasos que desenvolvemos têm boas propriedades mecânicas e acreditamos que eles irão se ajustar normalmente ao corpo quando expostos a hormônios”, diz. Nollert afirma ainda que esses vasos aparentam prevenir o acúmulo de plaquetas no sangue, um problema que pode levar ao estreitamento das artérias.

Pesquisa – As células-tronco derivadas da gordura retirada durante a lipoaspiração foram transformadas em células de músculo liso e, em seguida, “semeadas” para se tornarem uma membrana muito fina de colágeno. Conforme iam se multiplicando, essas células foram sendo enroladas em tubos com diâmetros similares aos de pequenos vasos sanguíneos. Dentro de três ou quatro semanas, elas haviam se multiplicado o suficiente para se tornarem vasos sanguíneos utilizáveis.

De acordo com os pesquisadores, criar vasos sanguíneos com essa técnica abre portas para o desenvolvimento de veias que podem ser usadas em procedimentos cirúrgicos de enxerto. Os cientistas esperam ter um protótipo de testes em animais para dar início à nova fase dos estudos dentro de seis meses.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês