Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Câncer: novos medicamentos reduzem necessidade de quimioterapia

Entre os tumores mais beneficiados com a nova abordagem estão os de mama e o de pulmão

Por Cilene Pereira Atualizado em 8 out 2021, 17h04 - Publicado em 8 out 2021, 06h00

A chegada de medicamentos capazes de atacar apenas as células tumorais promove uma guinada no jeito de tratar o câncer e reduz a necessidade de uso da quimioterapia

O semblante tranquilo, o sorriso no rosto, o cabelo mais longo, nada faz supor que a aposentada paulista Fátima Aparecida Guerra, de 57 anos, ex-secretária, enfrente um câncer de mama há treze anos. Mais difícil ainda seria imaginar que, desde julho de 2019, ela trate metástases desse mesmo tumor nos pulmões, nos ossos e na região próxima à traqueia. Em 2008, quando a doença foi diagnosticada e o tumor extraído por meio de cirurgia, Fátima era outra mulher. Submetida à quimioterapia, a cada sessão seguiam-se oito dias na cama de intenso desconforto. “Não tinha forças para me levantar”, ela lembra. “Além das náuseas, do cansaço, sentia dores horríveis.” Dez anos depois, quando soube que células tumorais haviam se alojado em outras partes de seu corpo, o filme voltou a sua cabeça. Que angústia pensar naquilo tudo de novo. Felizmente, a história não se repetiu. Em pouco mais de dois anos de tratamento, os tumores diminuíram e Fátima segue forte, sem tanto sofrimento quanto da primeira vez.

arte cancer

Fátima é o retrato feliz de uma guinada espetacular na forma de tratar o câncer, que pouco a pouco tira de cena a quimioterapia para dar lugar a medicações bem menos agressivas e muito mais eficazes. É uma revolução que acontece gradualmente, como em geral são as transformações produzidas pela ciência, e que tem beneficiado milhares de pacientes em todo o mundo. Nessa segunda rodada de tratamento, Fátima, por exemplo, não precisou de quimioterápicos porque está sendo medicada com uma droga que atua de forma seletiva sobre as células doentes, sem danificar tanto tecidos saudáveis. Por isso a redução dos tumores — o ataque é preciso — e a menor ocorrência de efeitos colaterais sobre o organismo da ex-secretária. “Eles nem se comparam ao que acontecia quando eu fazia químio”, diz. De fato, enquanto os remédios modernos têm atuação bem definida, a quimioterapia atinge o corpo todo, matando o câncer mas destruindo também células normais.

Tal ascensão de novas classes de medicamentos foi possibilitada pelo avanço impressionante no conhecimento sobre a enfermidade levantado nas últimas duas décadas. O mais decisivo foi descobrir que o câncer não é uma doença, mas várias. Isso mudou tudo. Não mais se combateriam tumores de mama, de pulmão, de rim de um modo comum. Antes de iniciar o tratamento, agora é necessário identificar qual o tipo a ser enfrentado. Para isso, a principal marca a ser procurada em cada um é sua assinatura genética. Essa informação ilumina como farol na escuridão. Por meio dela, a medicina descobre o trajeto mais curto para chegar às células doentes e o meio mais eficaz de impedir sua proliferação. Em vez do tiro de canhão da quimioterapia, os oncologistas hoje têm à mão drogas que podem ser comparadas a mísseis teleguiados, tamanha a seletividade com que atuam. Entre os tumores mais beneficiados com a nova abordagem estão os de mama e o de pulmão.

Continua após a publicidade
LONGA ESPERA - Sessões de remédios: os pacientes precisam se deslocar para receber a terapia endovenosa -
LONGA ESPERA – Sessões de remédios: os pacientes precisam se deslocar para receber a terapia endovenosa – Fabrizio Villa/Getty Images

Não surpreende, portanto, que só na semana passada tenham sido aprovados no Brasil dois medicamentos contra ambos. O primeiro é o amivantamabe, da farmacêutica Janssen, indicado contra um tipo raro de câncer de pulmão. O segundo é o trastuzumabe deruxtecan, da Daiichi Sankyo e AstraZeneca, feito contra um tipo específico de câncer de mama. Ele faz parte da classe conhecida como químio inteligente. Isso porque a droga leva até a célula tumoral uma concentração elevada de quimioterápico. Faz isso graças a um anticorpo desenhado para chegar às células desejadas, como um trem com destino certo. Os resultados do remédio foram tão expressivos que a Food and Drug Administration, a agência americana responsável pela aprovação de remédios, decidiu pela liberação depois de analisar as conclusões da primeira fase dos estudos clínicos com a droga. Isso só acontece quando os benefícios são tão espetaculares que não deixam dúvida sobre a pertinência em liberar a medicação. “A altíssima eficácia do remédio pode revolucionar o tratamento do tumor para o qual foi criado”, diz o oncologista Marcelo Cruz, do Hospital Sírio-Libanês, de São Paulo. A estratégia evoca a busca do alemão Paul Ehrlich, prêmio Nobel de Medicina em 1908, por aquilo que ele chamava de “bala mágica”: uma substância tóxica que matasse apenas tecidos doentes.

PAI DA QUÍMIO - Paul Ehrlich: prêmio Nobel de Medicina, ele buscava a “bala mágica” que atuaria apenas em células doentes -
PAI DA QUÍMIO – Paul Ehrlich: prêmio Nobel de Medicina, ele buscava a “bala mágica” que atuaria apenas em células doentes – Science Source/Fotoarena/.

Quando drogas assim começaram a chegar, não eram consideradas a primeira escolha de tratamento. Isso também está mudando, como disse a VEJA o oncologista Robert Vonderheide, diretor do Penn Medicine’s Abramson Cancer Center, da Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos, reputado centro de pesquisa e tratamento. “Para muitos pacientes com câncer de pulmão, a quimioterapia não é mais a primeira opção”, diz ele. “Preferimos ir com as terapias-alvo ou com a imunoterapia, abordagens que têm ajudado a revolucionar o cuidado com nossos pacientes nos últimos anos.” A imunoterapia é um tratamento biológico que potencializa a atuação do sistema de defesa do corpo contra os tumores. No câncer de mama, a quimioterapia também é menos usada. Um estudo da Universidade Stanford, nos Estados Unidos, retratou bem o fenômeno. Depois de analisar as respostas de 504 oncologistas e de 5 080 pacientes com determinados tipos da doença em estágios iniciais, o time de Stanford concluiu que o declínio no uso da quimioterapia entre as mulheres foi de 34%, em 2013, para 22%, em 2015. Entre os especialistas, a indicação caiu de 44% para 31% no mesmo período. Um dos desafios dos médicos é saber quando ela é cabível. O que ajuda a esclarecer dúvidas são painéis genéticos que apontam quem se beneficiará da terapia. Uma avaliação desse tipo evitou que 70% de mulheres com câncer de mama em estágio inicial recebessem quimioterapia sem necessidade no Hospital Pérola Bying­ton, em São Paulo.

arte cancer

Contudo, é consenso entre os profissionais que a quimioterapia ainda tem lugar, sim, no combate ao câncer. “Temos muito a aprender sobre qual o remédio para cada paciente”, diz o oncologista Bruno Ferrari, fundador e presidente do conselho de administração do Grupo Oncoclínicas. Mas também há o entendimento de que a resposta à doença será cada vez mais individualizada, como prega a medicina de precisão, caminho dos tratamentos revolucionários. A redução do espaço da químio será inevitável, para alívio dos que precisam enfrentar a doença. Que esse tempo chegue logo.

Publicado em VEJA de 13 de outubro de 2021, edição nº 2759

Continua após a publicidade
Publicidade