Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Caminhar três vezes por semana previne a enxaqueca

Conclusão faz parte de estudo brasileiro, que mostrou que o exercício reduz episódios de dores pela metade

Uma pesquisa brasileira comprovou que exercícios aeróbicos, como caminhada e corrida, ajudam pacientes que sofrem de enxaqueca crônica. Segundo o estudo, feito na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), esse tipo de atividade física previne dores, diminuindo tanto a frequência quanto a intensidade do problema.

Participaram da pesquisa 60 pessoas de 18 a 50 anos que tinham enxaqueca crônica, ou seja, apresentavam dores de cabeça pelo menos 15 dias ao mês. Nenhum dos voluntários havia seguido uma rotina de exercícios físicos nos três meses anteriores à pesquisa e todos faziam uso de medicamentos para prevenir dores de cabeça.

Durante três meses, metade dos participantes foi orientada a aliar a medicação com a prática de 40 minutos de caminhada ao dia, três vezes na semana. O restante passou esse tempo apenas tomando remédio.

Leia também:

Enxaqueca tem relação estreita com stress no trabalho

EUA aprovam dispositivo que usa corrente elétrica contra enxaqueca

Ao longo desse período, os participantes relataram se sentiram dores de cabeça e, se sim, com qual frequência e intensidade. Quando o estudo acabou, os pesquisadores avaliaram outros aspectos dos voluntários, como função cardiovascular e índice de massa corporal (IMC).

De acordo com os resultados, os participantes que praticaram atividade física apresentaram uma melhora em todos os aspectos da enxaqueca. A frequência das dores, por exemplo, caiu pela metade – de 23 dias para 5 dias por mês, em média. Além disso, essas pessoas também apresentaram uma redução do IMC.

“O exercício aeróbico de intensidade moderada, praticado regularmente, pode promover o relaxamento muscular, melhora do condicionamento cardiovascular e redução da frequência, intensidade e duração das crises de dor de cabeça”, diz a coordenadora do estudo, Michelle Dias Santos Santiago, fisioterapeuta do Ambulatório de Investigação e Tratamento da Dor de Cabeça da Unifesp.