Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Brasil reduz dengue, mas risco de epidemia persiste

Entre 1º de janeiro e 18 de fevereiro, redução foi de 66%. Secretário de Vigilância em Saúde, no entanto, alerta que perigo maior se concentra em março e abril

Por Cecília Ritto Atualizado em 24 Maio 2016, 16h34 - Publicado em 1 mar 2012, 12h44

“Temos que olhar os números com muito cuidado. O pico da dengue ocorre em março e abril. Está começando o período em que ocorrem mais casos”, disse Jarbas Barbosa

O Brasil conseguiu reduzir, no início de 2012, a incidência de dengue na maior parte do país. Mas não estão descartados os riscos de epidemia, segundo alerta feito pelo secretário de Vigilância em Saúde, do Ministério da Saúde, Jarbas Barbosa, na manhã desta quinta-feira, no centro do Rio. Segundo Barbosa, autoridades de saúde a população devem se manter vigilantes para os meses que, tradicionalmente, representam o maior perigo de contágio, que compreende os meses de março e abril.

“Nas oito primeiros semanas, houve redução do número de casos. Mas o período perigoso só agora está começando efetivamente. Por isso os dados devem ser analisados com cuidado. Janeiro foi um mês muito frio. Mesmo assim, em alguns estados do Brasil, como no Tocantins, a transmissão foi muito forte”, disse Barbosa, destacando a região onde a situação da dengue é mais grave.

Em todo o Brasil, a redução no total de casos foi de 66%, no período de 1º de janeiro a 18 de fevereiro de 2012. Em números absolutos, houve confirmação de 57.267 casos confirmados, um recuo expressivo se considerados as 166.016 ocorrências nos 50 primeiros dias do ano passado. Segundo Barbosa, entre os casos graves, a redução é de 97%. Também houve queda significativa nos óbitos, de 181 para 5.

Tocantins é o estado que mais preocupa, e o único em que há epidemia no momento. A barreira epidemiológica – proporção de casos em que a situação é de epidemia – é de 300 casos para cada 100.000 habitantes. No Tocantins, no momento, há 1.000 contaminados para cada 100.000 habitantes. Todos os demais estados estão abaixo desta margem, mas o Ministério da Saúde considera grave também a situação em Pernambuco e no Mato Grosso.

“Temos que olhar os números com muito cuidado. O pico da dengue ocorre em março e abril. Está começando o período em que ocorrem mais casos”, reforçou Barbosa. Segundo o secretário, a dengue tipo 4 está presente em todos os estados, o que eleva o risco de casos graves. Isso se deve às constatações de que, em pacientes que já tiveram a doença causada pelos sorotipos 1, 2 ou 3 manifestarem sintomas mais intensos.

Os estados em situação mais grave – Tocantins, Pernambuco e Mato Grosso – enfrentam problema no momento com o sorotipo 1. Barbosa afirma que o fato de o país ainda não ter enfrentado um surto do tipo 4 se deve à propagação mais lenta desse tipo de vírus. “O risco de surto de transmissão forte pelo tipo 4 persiste. Só poderemos dizer que o risco terminou no final de maio e começo de junho. Por enquanto todos têm que estar preparados, porque é um novo sorotipo. Ou seja, podemos ter epidemia forte, com casos graves e óbitos”, advertiu Jarbas Barbosa.

O recuo da dengue, segundo o secretário, se explica pelo reforço no investimento em vigilância sanitária. O coordenador do programa nacional de combate à dengue, Giovanini Coelho, disse que, para isso, contribuíram os reforços nos repasses federais para vigilância sanitária. A verba destinada aos estados e municípios todos os anos é de 800 milhões de reais. Em dezembro do ano passado, houve um repasse extra de 92 milhões (20% dos recursos originais) para 1.159 municípios. O Rio de Janeiro, um dos estados onde a dengue mais preocupa, recebeu 13 milhões de reais.

Continua após a publicidade

A capital fluminense, por ser a maior cidade tropical do país, porta de entrada de estrangeiros que visitam o Brasil, é sempre ume preocupação. O estado também conseguiu reduzir a incidência e, por enquanto, não teve óbitos este ano. Em 2011, nos primeiros 50 dias do ano, a dengue causou 26 mortes no estado.

LEIA TAMBÉM:

Brasil enfrenta risco de epidemia nacional de dengue, alerta especialista

Conter o avanço da dengue 4 é impossível, diz especialista

São Paulo registra primeiro caso de dengue tipo 4

Dengue tipo 4 chega ao Rio e traz risco de contaminação à população no Sudeste

Volta do vírus tipo 1 da dengue provoca epidemia no estado do Rio

Estudo detalha razões que fazem a dengue ser mais perigosa em uma segunda infecção

No Brasil, 45% das cidades ainda não têm esgoto; em 25% dos municípios, há racionamento de água

Continua após a publicidade
Publicidade