Clique e assine a partir de 9,90/mês

Brasil deve assinar acordo para produzir vacina de Oxford, diz governo

Segundo o ministro interino da Saúde, general Eduardo Pazuello, o governo está em negociação com a universidade e a AstraZeneca

Por Da redação - Atualizado em 23 jun 2020, 17h38 - Publicado em 23 jun 2020, 17h19

Nesta terça-feira, 23, o ministro interino da Saúde, general Eduardo Pazuello, disse que o Brasil está em negociação para produzir a vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela Universidade Oxford, no Reino Unido, em parceria com a farmacêutica britânica AstraZeneca. A expectativa é que o acordo seja assinado ainda essa semana.

“Estamos em ligações paralelas com a universidade e a AstraZeneca bem adiantadas, envolvendo a Fiocruz e a BioManguinhos. A Casa Civil está analisando a assinatura para os próximos momentos, hoje ou amanhã. Ainda nesta semana”, disse Pazuello em audiência pública da Comissão Mista do Congresso Nacional, que conta com deputados e senadores.

ASSINE VEJA

Acharam o Queiroz. E perto demais Leia nesta edição: como a prisão do ex-policial pode afetar o destino do governo Bolsonaro e, na cobertura sobre Covid-19, a estabilização do número de mortes no Brasil
Clique e Assine

Em entrevista recente a VEJA, Fraser Hall, presidente da AstraZeneca Brasil disse que “o Brasil tem uma grande capacidade na produção de vacinas” e afirmou que todas as possibilidades estavam em análise, quando questionado sobre a possibilidade de produção do imunizante no país. No início do mês de junho, foi anunciada a inclusão do Brasil nos testes dessa vacina, com a participação de 2.000 voluntários no Rio de Janeiro e em São Paulo. Os testes clínicos em São Paulo, conduzidos pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), foram iniciados no último final de semana.

A vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford é uma das mais avançadas e foi a primeira a iniciar os estudos clínicos de fase 3. A última etapa exigida por agências regulatórias antes da aprovação.

Continua após a publicidade

Ainda segundo Pazuello, entre 15 iniciativas promissoras de desenvolvimento de vacinas identificadas pelo Ministério, três foram escolhidas. São elas a vacina de Oxford, uma chinesa e uma americana.

No início deste mês, o governador de São Paulo João Doria anunciou um acordo com a empresa chinesa Sinovac Biotech para a realização dos testes clínicos da vacina no Brasil e produção pelo Instituto Butantã, se o imunizante se mostrar eficaz.

 

Publicidade