Até 90% das maquiagens líquidas podem estar contaminadas por bactérias

Estudo americano mostrou que entre os mais infectados estão o rímel e o brilho labial

Por Redação - Atualizado em 4 dez 2019, 11h56 - Publicado em 4 dez 2019, 11h49

Se você é daquelas pessoas que não conseguem sair de casa sem passar pelo menos uma maquiagem básica, uma má notícia: 90% dos produtos cosméticos líquidos que você está usando agora estão contaminados por bactérias, como E. coli e Staphylococcus, que podem prejudicar a sua saúde, causando desde infecções de pele até septicemia (infecção generalizada). O novo estudo, publicado no periódico Journal of Applied Microbiology, indica que os artigos com maior potencial de perigo são rímel, brilho labial e aplicadores (beauty blenders). 

Segundo os pesquisadores, isso acontece porque esses produtos têm forma líquida e geralmente são deixados úmidos após o uso, tornando-se o terreno ideal para o crescimento e proliferação de bactérias. Além disso, a pesquisa revelou que outro motivo para o alto índice bacteriano está relacionado a higienização: 93% dos produtos nunca foram limpos e 64% já caíram no chão em algum momento. Outro problema é que muitos consumidores não se atentam ao prazo de validade e continuam a utilizar os produtos mesmo depois de expirar.

“As más práticas de higiene dos consumidores quando se trata de usar maquiagem, especialmente aplicadores, são muito preocupantes quando levamos em consideração o fato de que encontramos bactérias como a  E.coli, que está relacionada à contaminação fecal”, comentou Amreen Bashir, da Universidade de Aston, no Reino Unido, em comunicado.

Por causa disso, os pesquisadores salientam a importância de educar os consumidores e o setor de maquiagem sobre a necessidade de limpeza, especialmente de aplicadores, além de colocar o prazo de validade na embalagem em lugar visível e alertar para os riscos de utilizar produtos de beleza vencidos.

Publicidade

Os perigos

Para chegar a este resultado, os pesquisadores analisaram 470 produtos cosméticos que foram usados ​​por um consumidor, incluindo batom, brilho labial, delineador, rímel, aplicadores e misturadores.

Os resultados mostrara que 79% a 90% dos produtos utilizados estavam contaminados por bactérias, como E. Coli e C. freundii  (que podem causar problemas intestinais), Staphylococcus (que pode provocar pneumonia, infecções na pele, no coração e nos ossos) e Enterobacteriaceae (que podem levar à pneumonia, infecções no coração e no trato intestinal, além de infecção generalizada). 

Os pesquisadores alertam que algumas desses micróbios podem ser encontrados na nossa pele e normalmente são inofensivos. O perigo reside na entrada delas no organismo, o que pode acontecer quando elas entram em contato com a boca e olhos ou feridas na pele, por exemplo. A equipe ainda salienta que esse risco é ainda maior para pessoas com sistema imunológico comprometido, como portadores do vírus HIV ou transplantados.

“É preciso enfatizar para o consumidor a necessidade de lavar e secar os aplicadores e misturadores de maquiagem para evitar riscos de saúde”, ressaltou Bashir.

Publicidade