Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Anvisa determina recolhimento de remédios para hipertensão com losartana

Pacientes que usam o medicamento não devem suspender o uso, pois interrupção leva a risco de morte por derrame e ataques cardíacos

Por Sabrina Carmo 23 jun 2022, 17h54

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) anunciou nesta quinta-feira, 23, o recolhimento preventivo de lotes de medicamentos que contêm o princípio ativo losartana. A interdição e o recolhimento foram adotados por causa da concentração acima do limite de segurança aceitável da impureza “azido”. Os produtos devem ser recolhidos em até 120 dias.

A losartana é o anti-hipertensivo mais usado no Brasil e também é um dos mais utilizados como tratamento para insuficiência cardíaca. Segundo a agência, o azido é uma substância que pode surgir durante o processo de fabricação do insumo farmacêutico ativo e pode ser responsável por mutações em moléculas.

Para aqueles que fazem uso da losartana, a Anvisa recomenda que continuem utilizando o medicamento, mesmo que estejam usando um dos lotes afetados. Segundo a agência, o medicamento é seguro e eficaz. Ela também afirmou que não existem dados que comprovem eventos adversos ou risco imediato relacionado ao uso da medicação.

A agência orienta que os pacientes entrem em contato com seus médicos para tirar dúvidas e receber orientação, e que acionem o Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC) do laboratório para troca de medicamentos. É possível encontrar os meios de contato das empresas em embalagens e bulas de produtos.

A interrupção do tratamento da hipertensão arterial e da insuficiência cardíaca pode provocar risco de morte por derrame, ataques cardíacos e piora da insuficiência cardíaca. As duas condições médicas exigem o acompanhamento constante e qualquer mudança no tratamento deve ser orientada por médicos.

Outras losartanas disponíveis no mercado podem substituir aqueles que forem recolhidos ou interditados. A agência orienta que a troca de medicamento deve ser feita apenas com o novo tratamento em mãos.

O pronunciamento faz parte de uma série de medidas que a agência vem adotando desde a descoberta da possibilidade da presença do azido na losartana, em setembro de 2021. A decisão, que pretende retirar de circulação os medicamentos com azido, foi tomada com base em novas descobertas sobre a presença das impurezas. As análises foram feitas pelos fabricantes do medicamento por determinação da Anvisa.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)