Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Altos níveis de colesterol podem dificultar gravidez

Estudo aponta que, quanto mais elevada a taxa de colesterol da mulher ou do homem, menor a probabilidade de engravidar

Por Da Redação 20 Maio 2014, 18h58

Altos níveis de colesterol podem reduzir a fertilidade de uma pessoa, de acordo com um estudo publicado nesta terça-feira no periódico The Journal of Clinical Endocrinology and Metabolism (JCEM).

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Lipid Concentrations and Couple Fecundity: The LIFE Stud​y

Onde foi divulgada: periódico The Journal of Clinical Endocrinology and Metabolism (JCEM).

Quem fez: Enrique F. Schisterman, Sunni L. Mumford, Richard W. Browne, Dana Boyd Barr, Zhen Chen e Germaine M. Buck Louis.

Instituição: Instituto Nacional de Saúde, Universidade de Buffalo e Universidade Emory, nos Estados Unidos.

Resultado: Alto nível de colesterol livre no homem ou na mulher pode causar infertilidade. A teoria dos pesquisadores é a de que essa elevação prejudica a produção de hormônios sexuais, como a testosterona e o estrogênio.

Continua após a publicidade

A pesquisa realizada pelo Instituto Nacional de Saúde, Universidade de Buffalo e Universidade Emory, nos Estados Unidos, constatou que mulheres demoram mais para engravidar se elas ou os maridos têm colesterol alto. “Nossos resultados sugerem que quem deseja ter um filho precisa ter um nível de colesterol aceitável”, diz Enrique Schisterman, coautor da pesquisa.

Participaram do estudo 501 casais que tentavam engravidar sem tratamento, de 2005 a 2009. Todos faziam parte de um estudo que examinava a relação entre fertilidade e exposição a produtos químicos e estilo de vida. As mulheres tinham de 18 a 44 anos, e os homens, mais de 18 anos. Os participantes foram acompanhados até a gravidez ou um ano de tentativa.

Leia também:

Vitamina D pode ajudar a reduzir o colesterol em mulheres

15 causas que impedem um casal de engravidar

A partir de amostras de sangue retiradas dos voluntários, os pesquisadores mediram o nível de colesterol livre, sem diferenciá-lo por frações como HDL e LDL, popularmente como colesterol “bom” e “ruim”, respectivamente. A tese dos pesquisadores é de que o colesterol está relacionado à fertilidade por ser utilizado na produção de hormônios sexuais, como a testosterona e o estrogênio.

Os pesquisadores constataram que os casais que não conseguiam engravidar durante o estudo apresentavam as maiores concentrações. “O alto nível de colesterol não só aumenta os riscos de doenças cardiovasculares, como reduz as chances de um casal engravidar”, diz Schisterman.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)