Clique e assine a partir de 8,90/mês

Além do colesterol, a estatina também é eficaz contra o Alzheimer

Um novo estudo mostrou que as estatinas, remédio usado para reduzir a taxa de colesterol, reduzem em até 15% o risco de Alzheimer

Por Da redação - 13 dez 2016, 19h53

As estatinas, utilizadas há décadas para controlar o colesterol, podem reduzir significativamente o risco de Alzheimer. A conclusão é de um estudo publicado recentemente no periódico científico JAMA neurology. 

No estudo, pesquisadores da Universidade do Sul da Califórnia, nos Estados Unidos, analisaram registros médicos de cerca de 400.000 pessoas e concluíram que homens que tomavam estatinas diariamente apresentaram uma redução de 12% no risco de Alzheimer. Nas mulheres, a diminuição foi ainda maior: 15%.

Os autores acreditam que esse efeito benéfico do medicamento no Alzheimer pode ser explicado pela interação entre o colesterol, substância regulada pelo remédio, e a proteína beta-amiloide, que desempenha um importante papel no desenvolvimento de demência. Outra hipótese está relacionada à propriedade anti-inflamatória das estatinas.

Segundo a análise, a pravastatina e a rosuvastatina, tipos de estatina, estão particularmente associadas à redução do risco de Alzheimer em mulheres. “O tipo de estatina para a pessoa certa pode ser um meio relativamente barato de diminuir o risco de Alzheimer”, disse  Julie Zissimopoulos, líder da pesquisa.

A partir dos 65 anos, o risco de uma pessoa desenvolver Alzheimer duplica aproximadamente a cada 5 anos. Estima-se que a demência afete uma em cada 14 pessoas acima dessa idade e uma em cada seis pessoas após os 80 anos.

Continua após a publicidade
Publicidade