Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Além da vacina, proteção contra a Covid-19 pode vir de lhamas

Pequenas partículas imunológicas derivadas do sangue desses animais podem proteger contra o SARS-CoV-2 e todas suas variantes, inclusive a ômicron

Por Simone Blanes Atualizado em 13 jul 2022, 17h02 - Publicado em 29 jun 2022, 13h24

Pesquisadores do Monte Sinai descobriram que pequenas e robustas partículas imunológicas derivadas do sangue de uma lhama podem fornecer forte proteção contra o SARS-CoV-2, coronavírus que causa a Covid-19, e todas suas variantes, inclusive a ômicron, além de 18 outros vírus semelhantes, como o SARS-CoV-1, responsável pelo surto de SARS em 2003.

Em um artigo publicado na Cell Reports, a equipe sugere que essas moléculas de “superimunidade”, conhecidas como nanocorpos, podem ser precursoras de um tratamento antiviral inalável, de ação rápida ou spray, que poderia ser usado globalmente contra a pandemia em evolução e vírus futuros.

Em comparação ao resto do reino animal, lhamas, camelos e alpacas têm sistemas imunológicos únicos: produzem anticorpos com uma única cadeia polipeptídica em vez de duas. Essa construção resulta em anticorpos que são aproximadamente um décimo do tamanho dos normais, excepcionalmente estáveis ​​e podem se ligar firmemente aos alvos da doença. Por essas propriedades únicas, os pesquisadores podem ligar facilmente vários nanocorpos como uma cadeia de margaridas e, assim, se um vírus tentar escapar por mutação, outro nanocorpo estará pronto para mantê-lo sob controle.

“Devido ao seu pequeno tamanho e amplas atividades neutralizantes, esses nanocorpos de camelídeos provavelmente serão eficazes contra futuras variantes e surtos de vírus do tipo SARS”, afirmou Yi Shi, professor associado de Ciências Farmacológicas e Diretor do Centro de Engenharia de Proteínas e Terapêutica na Escola de Medicina Icahn, em Mount Sinai. “Sua estabilidade superior, baixos custos de produção e a capacidade de proteger o trato respiratório superior e inferior contra infecções significam que eles podem fornecer uma terapia complementar às vacinas e medicamentos de anticorpos monoclonais se e quando uma nova variante da Covid-19 ou mesmo um SARS-CoV -3 surgir”.

Como parte do estudo, a equipe de Shi imunizou uma lhama chamada “Wally” com o domínio de ligação ao receptor SARS-CoV-2 (RBD) – um fragmento curto ou pico do vírus que se prende à proteína na superfície das células humanas para entrar e espalhar a infecção. Dessa forma, descobriram que a imunização repetida com o RBD resultou na produção de nanocorpos de Wally, que reconheceram não apenas o SARS-CoV-2, mas uma vasta gama de outros coronavírus, conferindo o que os cientistas chamaram de “superimunidade”. A partir dessa descoberta, a equipe isolou e validou um grande repertório de nanocorpos antivirais altamente potentes e eficazes contra um amplo espectro de vírus do tipo SARS.

“Aprendemos que o tamanho minúsculo desses nanocorpos lhes dá uma vantagem crucial contra um vírus em mutação rápida”, explica o coautor Ian Wilson, professor de Biologia Estrutural e Presidente do Departamento de Biologia Integrativa Estrutural e Computacional da Scripps Research, na Califórnia. “Especificamente, permite que eles penetrem mais nos recessos, cantos e recantos da superfície do vírus e, assim, se liguem a várias regiões para impedir que o vírus escape e sofra mutações”.

A partir dessas informações estruturais, a equipe projetou um nanocorpo ultrapotente que pode se ligar simultaneamente a duas regiões no RBD de vírus semelhantes ao SARS para evitar o escape mutacional. A molécula resultante (PiN-31) é extremamente estável e, em sua forma aerossolizada, pode ser usada como tratamento inalado ou spray para combater o SARS-CoV-2.

“Embora sejam necessárias mais pesquisas, acreditamos que os nanocorpos ultrapotentes e de proteção ampla que conseguimos isolar no laboratório podem ser aproveitados para uso em humanos”, diz Shi, que conduziu a maior parte da pesquisa na Universidade de Pittsburgh, nos Estados Unidos. No passado, as terapias de nanocorpos foram clinicamente comprovadas como seguras e eficazes contra doenças humanas, como distúrbios de coagulação do sangue e câncer.

“Vencer a corrida contra a atual pandemia, bem como futuros surtos virais, dependerá do rápido desenvolvimento e distribuição equitativa de um arsenal de tecnologias econômicas e convenientes”, enfatiza Shi. “Acreditamos firmemente que os novos nanocorpos inaláveis ​​e extremamente potentes que descobrimos podem atender a essa demanda em escala global, particularmente em países em desenvolvimento que são mais vulneráveis ​​ao vírus e à falta de terapias para tratá-los”.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)