Clique e assine a partir de 9,90/mês

Academia Americana de Pediatria recomenda vacina contra HPV também para meninos

Nova recomendação da Academia será publicada em março; vacina ajuda a proteger contra câncer e verrugas genitais

Por Da Redação - 27 fev 2012, 21h53

Garotos com 11 anos ou mais também devem ser vacinados contra o HPV. De acordo com nova recomendação da Academia Americana de Pediatria (AAP), que será publicada na edição de março do periódico Pediatrics, estudos clínicos apontam que a vacina também é eficiente nos meninos – e pode proteger, indiretamente, as adolescentes.

Saiba mais

HPV

O HPV é a doença sexualmente transmissível mais comum, e tem mais de 40 subtipos, alguns dos quais podem causar câncer cervical e verrugas genitais. Normalmente, porém, o HPV não causa sintomas. Pelo menos 50% dos homens e mulheres sexualmente ativos contrairão HPV em algum momento de suas vidas. Geralmente o organismo humano consegue eliminar a infecção sozinho em dois anos, mas certos suptipos do vírus, conhecidos como cepas oncogênicas, podem evoluir para o câncer e precisam ser acompanhados de perto.

Continua após a publicidade

Em outubro de 2011, o Comitê Assessor sobre Práticas de Imunização (ACIP, sigla em inglês) já havia recomendado a vacinação para garotos nessa faixa etária. O comitê considerou que, além de reduzir a carga sobre as mulheres e as meninas, a vacina contra o HPV permitirá prevenir o câncer anal e as verrugas genitais em meninos e homens.

O novo comunicado da AAP vem para reforçar a recomendação do ACIP. Ele ainda atualiza as próprias recomendações da Academia, que até agora só indicava a vacina de rotina para meninas.

Segundo a AAP, a vacina é mais eficiente quando administrada antes da atividade sexual. A resposta dos anticorpos à vacina são maiores em idades entre os nove e os 15 anos. Com a imunização de jovens nessas idades, espera-se prevenir câncer e verrugas genitais causadas pelo HPV.

“Esperamos usar essa vacina como uma vacina contra o câncer”, diz Michael Brady, diretor do comitê de doenças infecciosas da AAP. “Agora temos a capacidade de interromper a transmissão e o desenvolvimento do câncer.”

Continua após a publicidade

O HPV, ou papilomavírus humano, é a doença sexualmente transmissível mais comum nos Estados Unidos. Estima-se que as cepas 16 e 18 do HPV sejam responsáveis por 7.000 casos anuais de câncer em homens e 15.000 em mulheres nos EUA – país onde o estudo com as vacinas foi realizado. De acordo com o Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC, sigla em inglês), pelo menos metade de todas as pessoas sexualmente ativas irão pegar HPV genital em algum momento da vida.

Levantamento – Estudos clínicos mostram que a vacina de HPV também protege garotos contra verrugas genitais e câncer anal, embora a proteção não seja completa. Segundo a AAP, vacinar garotos também pode proteger mulheres indiretamente, ao evitar que elas peguem o vírus.

Três doses da vacina, a quantia recomendada, custam cerca de 360 dólares nos EUA. Nenhum efeito colateral sério foi registrado, além de dor no local da injeção. “Essa vacina é definitivamente muito segura”, diz Brady, que também integra equipe do Hospital Nacional da Criança em Columbus, Ohio.

As vacinas, no entanto, são mais eficazes se dadas entre os nove e os 15 anos. Mas homens com mais de 21 anos também devem ser vacinados, se não tiverem recebido a vacina antes, diz a AAP. Para meninas com 11 e 12 anos, o grupo continua a recomendar três doses das vacinas Gardasil ou Cervarix – esta, ainda não aprovada para meninos. Jovens entre 13 e 26 anos que não foram vacinadas também receber as doses.

Continua após a publicidade

Um terço das adolescentes americanas receberam as três doses em 2010, mas Brady diz que esse número ainda está além do suficiente para prevenir que o vírus se espalhe. “Agora que é uma recomendação de rotina, nós antecipamos que a cobertura será muito melhor e as barreiras do custo irão desaparecer”, diz Brady.

Clique nas perguntas abaixo para saber mais sobre o HPV:

*O conteúdo destes vídeos é um serviço de informação e não pode substituir uma consulta médica. Em caso de problemas de saúde, procure um médico.

Publicidade