Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

A indicação de diretor da Anvisa desperta temor de contaminação política

A sugestão de Bolsonaro de militar sem currículo e crítico da CoronaVac para o comando da agência desperta o temor da perda de credibilidade

Por Eduardo Gonçalves Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 20 nov 2020, 10h23 - Publicado em 20 nov 2020, 06h00

A queda de braço entre Jair Bolsonaro e João Doria em torno da suspensão dos testes da CoronaVac pela Anvisa foi acompanhada com preocupação pelos profissionais do órgão — cerca de 90% do efetivo total. O caso gerou mal-estar no país pela comemoração do presidente com o tropeço da pesquisa. Esse episódio ficou ainda pior quando se tornou evidente que a interrupção foi provocada pelo suicídio de um voluntário — ou seja, uma morte que não tinha nada a ver com o efeito do imunizante. Agora, dentro da Anvisa, as atenções estão voltadas para a indicação pelo presidente, no dia 12, do tenente-coronel Jorge Luiz Kormann para comandar uma das cinco diretorias da agência, sem ter currículo para o cargo e com um histórico de interações preocupantes nas redes sociais sobre a vacina chinesa. Ele foi escolhido para a Segunda Diretoria e deverá substituir a farmacêutica Alessandra Soares, que tem duas décadas de experiência no setor.

A origem da indicação do novo diretor é conhecida: ele é do grupo do ministro da Saúde, o general Eduardo Pazuello. No seu currículo, há um mestrado em ciências militares, especialização em política, estratégia e inteligência e até um prêmio de inovação no governo Lula. Na área da saúde, tem apenas uma passagem como assessor de gestão pelo hospital militar de Porto Alegre e o cargo de secretário executivo adjunto no Ministério da Saúde desde junho. Mas o que mais causa apreensão é o seu comportamento na internet, onde curtiu posts críticos à CoronaVac e à Organização Mundial da Saúde, contendo ironias contra Doria, chamado de “China Boy”, e ataques aos “charlatões da OMS” e sua “parceria com a ditadura chinesa”. “É uma falta de bom senso tremenda indicar um tenente-coronel que nem é da saúde. E o pior: que tem um pensamento terraplanista. É inaceitável”, diz o médico sanitarista Gonzalo Vecina, fundador da Anvisa e seu presidente de 1999 a 2003.

POLÊMICAS - Jorge Kormann: posts atacando João Doria, a OMS e a China – (Anvisa/.)

O episódio da paralisação dos testes da CoronaVac, decidida de forma apressada em uma reunião no começo da noite do último dia 9, e a indicação de Kormann acenderam uma luz amarela sobre a credibilidade de uma agência até aqui historicamente blindada contra o jogo político. Responsável por regular mais de 20% do PIB, o que inclui alimentos, medicamentos, cosméticos e agrotóxicos, ela foi criada em 1999. Além de zelar pela saúde pública, uma Anvisa independente é crucial para manter o bom fluxo de importações e exportações, porque a certificação de produtos é fundamental e sua validade depende da credibilidade de quem atesta.

Algumas regras foram criadas para evitar o aparelhamento político da agência, como a necessidade de sabatina e aprovação pelo Senado e a nomeação dos diretores em momentos diferentes e com mandato de três anos, passível de prorrogação. O então presidente Michel Temer, porém, demorou a fazer algumas nomeações e Bolsonaro acabou ganhando o direito de indicar todos os cinco diretores. Um deles é o chefe da Anvisa, o contra-almirante Antônio Barra Torres, que tem formação médica. Em março, ele acompanhou o presidente, ambos sem máscara, a um ato de caráter antidemocrático. Mas ele é bem-visto pelo corpo técnico da agência. Desde que assumiu, em julho de 2019, ele se posicionou contra o plantio da maconha para uso medicinal, o que agradou aos bolsonaristas, mas aprovou junto com outros diretores a venda de remédios à base de canabidiol, o que satisfez a comunidade científica. Também pesou o fato de rapidamente ter colocado ponto-final na crise sobre a CoronaVac. Convocado ao Congresso para falar sobre o caso, foi incisivo ao dizer que, “em relação à pergunta sobre interferência política, duas palavras: não há”.

EM AÇÃO - Agentes da Anvisa: a atuação inclui vistorias em portos e aeroportos – (Reprodução/Instagram)

Se a atitude da Anvisa no caso da CoronaVac ainda deixa dúvidas, apesar das palavras de Torres, é certo que nunca o órgão teve uma diretoria tão questionada. Outro nome indicado recentemente, Cristiane Rose Jourdan Gomes, que é médica, publicou textos nas redes sociais defendendo o uso da cloroquina contra a doença. Também fez circular posts atacando o STF, os movimentos de esquerda e a imprensa. Kormann fazia coisas parecidas. Em julho, compartilhou com servidores um vídeo em que o dono da Havan, o bolsonarista Luciano Hang, propunha um novo método estatístico para contar os mortos pela Covid.

Independentemente de a nomeação de Kormann prosperar ou não, o fato é que há uma inquietação na Anvisa sobre o risco de aparelhamento. “Temos a única agência do Terceiro Mundo que se reúne anualmente com as do Primeiro para definir padrões em pé de igualdade. Isso pode acabar”, alerta Vecina. Em meio à pandemia, há uma preocupação agora com o que pode acontecer no processo de análise da CoronaVac, a cargo hoje justamente da Segunda Diretoria, a mesma que ficará sob a responsabilidade de Karmann. A sabatina dele no Senado ainda não tem data definida para ocorrer. “A escolha desse cargo é prerrogativa do presidente”, afirma Eduardo Gomes (MDB-TO), líder do governo na Casa. Mas a oposição promete resistência. Tudo que o país não precisa é de novos capítulos da guerra em torno de uma vacina. Para isso não acontecer, é necessário garantir imunidade total na Anvisa contra o vírus da política.

Publicado em VEJA de 25 de novembro de 2020, edição nº 2714

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.