Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Busca pela dieta saudável: o YouTube é a principal fonte de informação

Quando a questão é dieta e emagrecimento, o brasileiro prefere o nutricionista e outros especialistas

Por Letícia Passos
Atualizado em 12 jun 2018, 17h29 - Publicado em 12 jun 2018, 14h58

Entre os brasileiros, 51% obtêm dicas de alimentação saudável pelo YouTube, aponta pesquisa inédita realizada entre a Nestlé em parceria com a Editora Abril.

Os resultados, publicados nesta terça-feira na Revista BIO, ainda mostram que, apesar de buscar informações sobre nutrição na internet – onde podem ser encontradas inúmeras informações falsas -, 46% dos entrevistados declararam sempre checar as fontes e a veracidade das notícias sobre alimentação obtidas nas redes.

A pesquisa, feita com 500 pessoas de todas as regiões do país, também revelou que 44% dos entrevistados se consideram preocupados com a manutenção de uma dieta saudável.

Alimentação e redes sociais

Além do Youtube, outras redes sociais estão entre as preferidas do brasileiro quando se trata de informações sobre nutrição: 43% dos participantes elegeram o Facebook como fonte mais procurada para dicas de alimentação; o Instagram atingiu 32%.

A internet ainda domina a busca por informações nutricionais com sites especializados (50%), blogs (31%) e sites de notícias (41%). As mídias tradicionais também aparecem entre as fontes do brasileiro: a televisão é a preferida com 43%, seguida das revistas (38%), jornais (22%) e rádio (11%). O Whatsapp, um dos aplicativos de mensagem mais populares no Brasil, é utilizado por 20% dos entrevistados.

Continua após a publicidade

Alimentação saudável

O nível de preocupação com a alimentação saudável também foi um dos temas investigados pela pesquisa: 14% das pessoas disseram estar muito preocupadas, 44% afirmaram estar preocupadas, 42% se consideraram um pouco preocupadas.

Os resultados também indicaram que o tipo de fonte varia conforme a pauta. Quando o assunto é alimentação infantil, 21% dos entrevistados buscam um nutricionista e 18% procuram outra especialidade médica, como as de controle de patologias, como diabetes e hipertensão. Entretanto, os sites especializados são considerados fontes mais confiáveis por 19% dos entrevistados.

Já se a questão é dieta e emagrecimento, 32% preferem o nutricionista e 15% confiam nos médicos especialistas. No entanto, mesmo nestes temas, a internet se mantém como fonte de informação confiável, com os sites especializados (16%), as redes socais (12%), e blogueiros e/ou youtubers (7%).

Fontes confiáveis

Outro ponto importante é a preocupação com a filtragem de informações, especialmente nas redes sociais. A veracidade das notícias é importante para 46% dos entrevistados, que disseram sempre checar as fontes; 45% checam às vezes e 9% afirmaram nunca checar.

Um artigo publicado na semana passada pela revista Scientific American, aconselha os leitores a sempre verificarem as informações sobre nutrição obtidas pela internet para evitar fake news que podem trazer prejuízos financeiros e para a saúde.

“É sempre importante buscar diferentes fontes para saber se as informações divulgadas são as mesmas. Os sites especializados, como o da OMS ou do Ministério da Saúde são muito bem fundamentados. As revistas de grande circulação são outra opção, especialmente as versões on-line, que geralmente fazem referência [links] aos artigos científicos que embasam a notícia. Mas é sempre bom consultar um profissional de confiança”, orientou Nadine Marques, nutricionista da consultoria RG Nutri.

O nível de confiança das fontes também foi analisada pelo levantamento: a nota mais alta, de 7,2, foi alcançada pelos blogs e perfis de profissionais de saúde, seguidos pelas reportagens publicadas pela imprensa em geral (6,3) e a última posição foi ocupada pelo WhatsApp, com nota 3,2.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.