Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Veja Essa: as frases que se destacaram na semana

Falas de Alexandre de Moraes e Anthony Fauci marcaram os últimos dias

Por Lizia Bydlowski Atualizado em 18 jun 2020, 19h29 - Publicado em 19 jun 2020, 06h00

“Liberdade de expressão não é liberdade de agressão.”
ALEXANDRE DE MORAES, ministro do STF, justificando seu voto a favor da continuação do processo sobre fake news e ataques aos integrantes da Corte

“O país vai ter de ficar mais arruinado economicamente, com mais problemas sociais, até que, talvez — mesmo aí eu não tenho certeza —, haja um recomeço.”
RUBENS RICUPERO, ex-ministro e ex-embaixador, nada otimista em relação ao futuro do Brasil

“Estão tentando criar esse problema. Aqui, todos nos damos bem.”
BERTRAND DE ORLEANS E BRAGANÇA, descendente da família imperial, negando haver racismo no Brasil em palestra, a convite cercado de rapapés, no Itamaraty

“Para meu espanto, ele virou a conversa para as eleições, mencionou o poder econômico que a China tem para influenciar campanhas e pediu a Xi que se empenhasse na vitória dele.”
JOHN BOLTON, ex-consultor de política externa de Donald Trump, relatando um encontro entre o presidente americano e o líder chinês como exemplo de fatos reprováveis desperdiçados pelos democratas no pedido (negado) de impeachment. Bolton está lançando um livro contando seus tempos na Casa Branca

“Clicando na inscrição, você reconhece a existência de um risco inerente de exposição à Covid-19 em qualquer espaço público com pessoas presentes.”
SITE DA CAMPANHA de Donald Trump, tirando o corpo fora de possíveis processos caso apoiadores peguem o vírus no auditório reservado para um comício no sábado 20

Continua após a publicidade

“Eu sou do grupo de risco. Pessoalmente, não iria. Claro que não.”
ANTHONY FAUCI, imunologista da força-tarefa anti-Covid-19 do governo, tomando distância da decisão de Donald Trump de fazer comício em ambiente fechado

LETÍCIA LIMA Reprodução/Instagram

“Agora que chamei sua atenção, que tal parar de inventar de ir bater perna no shopping, proliferar esse vírus e matar pessoas?”
LETÍCIA LIMA, atriz, que, quando se enfeza, se enfeza: postou uma foto fazendo topless para passar sua mensagem

“Cada morte de um negro nas mãos da polícia embute duas tragédias: a morte em si e a inação e os adiamentos que se seguem.”
BEYONCÉ, cantora, em carta ao Departamento de Justiça americano exigindo providências contra policiais acusados de racismo

“Se ele quiser retomar a carreira na NFL, claro que tem de ter um time. Eu aprovo isso, apoio o clube que tomar a decisão e a incentivo.”
ROGER GOODELL, chefe da poderosa liga de futebol americano, tirando do limbo o jogador Colin Kaepernick. Primeiro a se ajoelhar em campo na hora do Hino Nacional, em protesto contra a brutalidade da polícia contra negros, Kaepernick foi criticado e está há três anos sem jogar

“O futebol, de fato, não é um lugar em que as pessoas estão num primeiro plano. Às vezes nem no segundo plano. É uma maquininha de moer gente.”
FERNANDO DINIZ, técnico do São Paulo, admitindo que a ênfase no espírito competitivo deixa de lado o desenvolvimento humano dos jogadores

Publicado em VEJA de 24 de junho de 2020, edição nº 2692

Continua após a publicidade
Publicidade