Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Uma dose de sensatez

Acima de todos os dogmas, de todas as ideologias, e apesar das dificuldades logísticas que se apresentam, este momento é de otimismo e... agulhas

Por Da Redação Atualizado em 4 jun 2024, 14h17 - Publicado em 22 jan 2021, 06h00

Demorou, mais de cinquenta países chegaram na frente, mas finalmente o Brasil começou a campanha de vacinação contra a Covid-19. Sim, houve evidente disputa política entre o presidente Jair Bolsonaro, totalmente equivocado no seu posicionamento, e o governador de São Paulo, João Doria, que merece elogios pelo seu. Há ainda, é verdade, insistentes ecos de vozes avessas à imunização e, claro, o processo está apenas começando — mas as doses de sensatez felizmente parecem estar fazendo efeito. Já era hora. Afinal de contas, apenas com a vacina o país poderá cuidar simultaneamente da saúde de seus cidadãos e da economia, com retorno à normalidade. Tal travessia será longa, mas não pairam mais dúvidas sobre a solução. Acima de todos os dogmas, de todas as ideologias, e apesar das dificuldades logísticas que se apresentam, este momento é de otimismo e… agulhas. “Não tenham medo”, disse a enfermeira paulistana Mônica Calazans, de 54 anos, a histórica pioneira da primeira agulhada. “Que a população acredite na vacina, estou falando agora como mulher, brasileira, mulher negra: acreditem na vacina. Vamos pensar no monte de vidas que nós perdemos, quantas famílias nós perdemos, quantos pais, mães, irmãos.”

A fala de Mônica, ao olhar com dor para o passado e com esperança para o futuro, serve de espelho para o modo como toda a sociedade deveria se comportar daqui para a frente. Há um único caminho: celebrar essa robusta vitória da ciência, que em menos de um ano produziu vacinas contra o coronavírus, usufruindo sua criação. Trata-se, por sinal, de uma oportunidade perfeita para a consagração de duas instituições brasileiras de respeito mundial — o Instituto Butantan, que em parceria com a chinesa Sinovac desenvolve a CoronaVac, e a Fiocruz, de mãos dadas com as britânicas Universidade de Oxford e a farmacêutica AstraZeneca. Em sua própria gênese, tanto o Butantan como a Fiocruz lutaram contra o obscurantismo. Em 1899, um surto de peste bubônica, que se propagava a partir do Porto de Santos, levou a administração pública estadual a criar um laboratório de produção de soro em um local então conhecido como Fazenda Butantan. Houve muita reclamação, desconfiança descabida, mas o médico Vital Brazil, escolhido para liderar a empreitada, seguiu em frente. A Fiocruz nasceu em 1900, como Instituto Soroterápico Federal, dirigido pelo jovem bacteriologista Oswaldo Cruz, de apenas 28 anos. Em 1904, ele enfrentaria a chamada Revolta da Vacina, deflagrada por camadas da população que não queriam receber a vacina contra a varíola. Brazil e Cruz não recuaram e, a partir deles, nosso país se tornou referência mundial em política de imunização coletiva. Assim deve ser, agora mais do que nunca — embora ainda existam vários desafios, como se lê na reportagem a partir da página 24. Mas, como disse a enfermeira Mônica, “não tenham medo”. Nós vamos vencer a pandemia. Para isso, o Brasil precisa apenas de união e muito trabalho — não de preconceitos, discursos de ódio, ignorância e desavenças.

Publicado em VEJA de 27 de janeiro de 2021, edição nº 2722

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.