Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Um golpe aqui,…

Para Trump e aliados, o artigo anônimo publicado pelo 'Times' é um “ataque direto às instituições”

Assim que o jornal The New York Times saiu com um artigo anônimo, escrito por um alto funcionário da Casa Branca, as labaredas começaram. No texto, sob o título “Eu faço parte da resistência dentro do governo Trump”, o autor diz que uma camada de funcionários trabalha para sabotar discretamente medidas do presidente Donald Trump. São medidas tresloucadas que vão contra os próprios interesses americanos. Daí por que os funcionários operam para neutralizar as “piores inclinações” do presidente.

Irritado, Trump chegou a pedir ao Departamento de Justiça que investigasse o jornal e descobrisse o autor do artigo em nome da “segurança nacional”. “É um golpe administrativo, um golpe suave, um golpe maluco, o que você quiser pensar”, disse o ex-conselheiro de campanha do presidente, Michael Caputo. O ex-estrategista Steve Bannon também se pronunciou: “Isso é um ataque direto às instituições. Isso é um golpe, o.k.?”. No Twitter, Trump escreveu: “Estou drenando o pântano, mas o pântano está contra-atacando. Não se preocupe. Nós vamos ganhar!”. Para evitarem represálias, mais de vinte funcionários do primeiro escalão negaram publicamente a autoria do texto. Entre eles, o secretário de Estado, Mike Pompeo, e o vice-presidente, Michael Pence.

Contribuiu para a fúria de Trump o fato de que a publicação do artigo coincidiu com o lançamento de mais um livro do veterano jornalista Bob Woodward, ­Medo: Trump na Casa Branca. Nele, Woodward conta exatamente o que o autor anônimo denunciou: que assessores da Casa Branca trabalham para evitar que Trump tome decisões precipitadas que se voltem contra o próprio país. Daí por que os trumpistas falam de um “golpe administrativo”.

Publicado em VEJA de 19 de setembro de 2018, edição nº 2600