Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

O avanço dos fascistas

Na Itália, berço do fascismo de Benito Mussolini, partidos com discurso racista podem ganhar poder com ajuda do ex-primeiro-ministro Silvio Berlusconi

Por Duda Teixeira 23 fev 2018, 06h00

Desde que Benito Mussolini foi fuzilado e seu corpo pendurado de cabeça para baixo ao lado do de sua amante em uma praça de Milão em 1945, o fascismo nunca arredou pé da bota da península italiana. Em 2018, a ideologia totalitária que Il Duce, como era chamado, criou terá um momento glorioso. Dois partidos de toada nacionalista e racista devem ganhar espaço no próximo governo com a provável vitória da coalizão de direita do ex-premiê Silvio Berlusconi. Apesar de ter completado 81 anos e estar inelegível até 2019 por uma condenação de fraude fiscal, Berlusconi orquestrou uma aliança com os partidos radicais Liga Norte e Irmãos da Itália. Segundo as pesquisas de opinião, eles poderão ter 38% dos votos nas eleições de 4 de março, 12 pontos porcentuais à frente do provável segundo colocado, o Movimento Cinco Estrelas, do comediante Beppe Grillo. A investida política ainda vem acompanhada de agitação social. Grupos fascistas estão recrutando novos membros em ritmo acelerado e realizando um número recorde de ataques a imigrantes. Desde 2014, eles fizeram 142 investidas violentas contra minorias.

Em 3 de fevereiro, o segurança de boate desempregado Luca Traini, de 28 anos, saiu com um carro Alfa Romeo atirando em todos os negros que apareceram à sua frente durante duas horas na cidade de Macerata, na região central da Itália. Cinco homens e uma mulher ficaram feridos. Envolto em uma bandeira da Itália, ele fez a saudação fascista com a mão e gritou “Viva a Itália!” ao ser detido pelos policiais. Grupos fascistas, como o Forza Nuova, ofereceram-se para pagar os custos advocatícios de Traini. O criminoso, que tinha distúrbios mentais, era um dos apoiadores do partido Liga Norte, nacionalista e xenófobo. O presidente da agrupação, Matteo Salvini, disse no início de 2017 que a Itália precisa de uma limpeza de massa, rua por rua, vizinhança por vizinhança, expulsando os imigrantes. Como seu partido, que tem 14% da preferência do eleitorado, está na coalizão de direita e Berlusconi não pode assumir cargos, Salvini nutre esperanças de se tornar o próximo primeiro-ministro. Giorgia Meloni, do partido Irmãos da Itália, também ambiciona o cargo de premiê.

Promessa – Berlusconi: ele fala em deportar 600 000 se sua coalizão vencer Alessandro Bianchi/Reuters

Entre os quatro grupos mais conhecidos da direita radical, dois são claramente fascistas: o CasaPound e o Forza Nuova. Eles combinam os sentimentos xenófobos com um programa que pede intervencionismo estatal na economia. Os dois partidos que integram a coalizão de Berlusconi, contudo, são liberais em economia e defendem a iniciativa privada. “O totalitarismo não poderia acontecer em uma economia privatizada”, diz o historiador italiano Matteo Albanese, professor da Universidade de Lisboa. Deixando de lado as diferenças em economia, o CasaPound e o Forza Nuova também apoiam Berlusconi, que vem fazendo críticas à imigração. O ex-­premiê já declarou que o fenômeno é uma bomba-relógio social e falou em deportar 600 000 imigrantes ilegais caso sua coalizão volte ao governo.

Diferentemente da Alemanha, que depois da II Guerra eliminou todos os símbolos nazistas e criou leis que proíbem o incitamento ao ódio, as saudações nazistas e a negação do Holocausto, a lei italiana barra apenas a tentativa de ressuscitar o Partido Nacional Fascista ou o discurso de ódio. Os partidos fascistas driblam a legislação dizendo-se democráticos e usando símbolos dos anos 1960, como a cruz céltica, com um círculo em volta. O lema “Itália para os italianos” lembra os chavões do presidente americano Donald Trump e não parece abertamente racista. Na prática, tais legendas atacam os centros de acolhimento de imigrantes e as ONGs que resgatam estrangeiros no Mar Mediterrâneo. Diz Albanese: “Esses grupos deslocaram o debate eleitoral para a questão da imigração e ameaçam arrastar os demais partidos com eles”.

Publicado em VEJA de 28 de fevereiro de 2018, edição nº 2571

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)