Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Nossa esquerda

Coluna publicada em VEJA de 21 de fevereiro de 2018, edição nº 2570

Quanto mais agressiva se mostra, ou finge se mostrar, mais a esquerda brasileira aparece à luz do sol como ela realmente é. Já faz muito tempo que se transformou numa espécie de Federação Nacional das Ideias Mortas. Agora, com as desventuras do ex-presidente Lula e as incertezas quanto ao seu futuro próximo, está se tornando apenas absurda. Seus líderes gritam em público que não existe uma democracia no Brasil no momento, mas escondem-se no Senado Federal e na Câmara dos Deputados para desfrutar as “imunidades parlamentares” que os protegem do Código Penal. Falam em exterminar os adversários, mas na vida real ficam do lado do senador Aécio Neves para impedir que ele seja processado por extorsão; em troca, recebem o apoio de sua turma. Dizem que a Justiça brasileira se vendeu para permitir a fabricação de provas falsas contra Lula — mas continuam entupindo os tribunais com recursos, ameaças e advogados caros. Convocam a população para ir “às ruas” e ali mesmo derrubar o regime. Não reconhecem mais “as instituições”. Propõem que o povo brasileiro, em pessoa, assuma o governo daqui para a frente. Nada disso, naturalmente, faz o menor nexo. O resultado prático é que acabam provando, cada dia mais, que viraram uma contrafação — são dinheiro falso, pura e simplesmente, embora não exista nada de simples, e muito menos de puro, em qualquer coisa que façam.

De onde está vindo essa gente que se vê por aí no papel de “homem de esquerda”? Teoricamente, um agrupamento político com a fúria exibida hoje nos palanques pelo PT e por seus satélites deveria produzir, se não uma revolução, pelo menos uns revolucionários — ou, vá lá, uma imitação decente do guerreiro-fantasia das lutas populares, capaz de ter ficha na polícia secreta e assustar um pouco a burguesia. Mas os revolucionários que estão saindo atualmente do forno da esquerda brasileira são uma lástima. Vivem de verbas do governo e de instituições internacionais de caridade política. Traficam com cestas básicas, casas populares cons­truí­das com dinheiro do Erário e financiamentos do Banco do Brasil. Têm direitos e garantias legais — que dizem não existirem no país, mas usam em seu favor todos os dias. Precisam de ônibus fretados, lanche e pagamento de diária para juntar gente na rua. Atacam propriedades indefesas. Querem criar no Brasil a “Ditadura dos Oprimidos”, como diz o professor Luiz Felipe Pondé, mas estão toda hora correndo para o colo do Ministério Público, atrás de algum tipo de proteção legal.

O grande problema da esquerda brasileira, no fundo, é que seus guerrilheiros têm medo de bala de borracha. O que poderia representar melhor que isso a situação a que chegaram — ou o déficit de fibra, têmpera e coragem militar demonstrado por seus movimentos? Um revolucionário com um mínimo de respeito por si próprio não pode exigir, principalmente do governo que pretende “derrubar”, o direito de ser tratado com gentileza pela polícia. Não pode pedir que a autoridade pública elimine qualquer risco de dor física para ele quando vai invadir terrenos, quebrar vidraças ou bloquear a livre passagem dos cidadãos por estradas ou avenidas. O que diria de uma coisa dessas um Lenin, ou mesmo um mero Fidel Castro? Iam para a luta cientes de que o inimigo estava armado, e de que faria uso de toda a munição que tivesse; jamais lhes passou pela cabeça requerer ao governo a proibição do uso de algum tipo de bala. Aqui é uma tristeza. Se a esquerda tem medo da bala de borracha, o que dizer, então, da bala de chumbo? Assim não há revolução que aguente.

A força da esquerda nacional, hoje em dia, é unicamente a que lhe é dada pela covardia das autoridades, que morrem de medo dela e de sua presença na mídia. Suas lideranças e “militantes” não existem porque têm por trás de si o apoio das “massas populares”, como dizem. Só existem porque têm, na prática, a permissão do governo para agredirem o direito de ir e vir, cultivarem a baderna como método natural de ação política e destruírem propriedade privada — inclusive centros de pesquisa, quando não gostam do objeto das pesquisas. A autoridade, em vez de aplicar a lei, intimida-se com as ameaças e concorda em “dialogar”. Na verdade, está protegendo a liberdade de praticar delitos. Nega ao cidadão comum, que tem os seus direitos legais desrespeitados pelos “movimentos sociais”, a proteção permanente que fornece à “militância” da esquerda. É isso. Nossos esquerdistas, no fim das contas, fazem parte do Brasil que dá errado. São o dínamo do atraso. Não vão sair daí nunca.

Publicado em VEJA de 21 de fevereiro de 2018, edição nº 2570

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Jehan Filipi

    “Nega ao cidadão comum, que tem os seus direitos legais desrespeitados pelos “movimentos sociais”, a proteção permanente que fornece à “militância” da esquerda.” que texto mais mal caráter ein? Acha que essa falcatrua é uma exclusividade da esquerda meu caro? A direita brasileira é tão mal caráter quanto a esquerda e nenhuma fala pela população em nada. A direita vive de mentiras e de ataques a minorias para mostrar a população que o problema somos nós más quanto de vocês fazem algo realmente válido para a população? Reclama que a esquerda revolucionária é sustentada pelo estado mas seus políticos de direita que gastam rios de dinheiro público são o que? Santos? Mitos? Direita e esquerda no país é uma verdadeira piada de inflar o ego? O maior problema é essa galera politizada que acha que demonizar parte da população é uma forma de melhorar o país. Mas ninguém dispensa a má mamata, independente de quem paga ela.

    Curtir