Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Na quadra e na vida

O tênis era um esporte esquecido pelos cineastas. Mas dois bons filmes recentes descobriram que grandes dramas podem acontecer entre uma e outra raquetada

Por Alexandre Salvador Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 4 jun 2024, 19h45 - Publicado em 10 nov 2017, 06h00

O esporte tem sido matéria-prima de grandes filmes. Ou, pelo menos, alguns esportes: histórias de boxeadores reais ou fictícios foram apresentadas em Touro Indomável, Rocky e Menina de Ouro; o beisebol aparece em Campo dos Sonhos e Moneyball — O Homem que Mudou o Jogo; o papel do rúgbi na África do Sul pós-­apartheid é retratado em Invictus; e pilotos de Fórmula 1 são os heróis de Grand Prix e Rush — No Limite da Emoção. No campo, no ringue ou na pista de corrida, está tudo ali, à disposição do roteirista: o drama, a superação e o desfecho épico.

Certas modalidades esportivas, no entanto, têm sido negligenciadas pelo cinema. Quase não há bons filmes sobre futebol, embora este seja o esporte mais popular do planeta. O tênis, que desde os anos 1980 produz rivalidades marcantes, também era esquecido. A afirmação vai no pretérito porque, somente neste ano, duas grandes histórias das quadras foram reconstituídas com competência. Em cartaz nas telas brasileiras desde a quinta-feira 9, Borg vs McEnroe (Borg, Suécia, 2017) relembra a grande final de Wimbledon (um dos quatro torneios mais importantes do circuito profissional de tênis — os célebres Grand Slams) de 1980, disputada entre o tenista sueco Björn Borg (Sverrir Gudnason), que de tão frio e preciso em quadra era apelidado de IceBorg, e o irascível e igualmente talentoso americano John McEnroe (Shia LaBeouf). A Guerra dos Sexos (Battle of the Sexes, Estados Unidos, 2017), em cartaz há mais tempo no país, trata de um embate inusitado, que repercutiu na política do esporte: em 1973, disputaram uma partida de exibição a tenista americana Billie Jean King (Emma Stone), a melhor jogadora do mundo naquela época, e Bobby Riggs (Steve Carell), ex-­jogador machista e falastrão que não se conformava com o próprio ocaso.

McEnroe questionou a capacidade técnica de reencenar partidas históricas. “É difícil até para um tenista profissional repetir o que ele próprio fez”, disparou o ex-tenista, antes mesmo de assistir ao filme. “Então, como um ator fará isso em cena sem parecer falso?” Obviamente, nenhum dos atores empunhou uma raquete com a destreza dos profissionais. Dos quatro protagonistas desses dois filmes, o único que tinha alguma familiaridade com o esporte era Carell (cuja missão era também mais fácil: reproduzir o estilo de jogo de um profissional aposentado e fora de forma). O fato é que os diretores (Janus Metz, de Borg vs McEnroe, e o casal Jonathan Dayton e Valerie Faris, de A Guerra dos Sexos) se sagraram vencedores na reprodução das partidas: com o velho recurso dos dublês e as novas ferramentas de computação digital, as trocas de bola passam sem causar estranheza, e até transmitem um pouco da tensão vivida em quadra.

Política esportiva – O duelo entre Billie Jean King (Emma Stone) e o “porco chauvinista” Bobby Riggs (Steve Carell): pela igualdade entre os sexos (//Divulgação)

Entre os intérpretes, o melhor foi LaBeouf: mesmo sem ter contado com a colaboração de McEnroe, o ator excêntrico de Ninfomaníaca parece ter encontrado um espelho no garoto-problema do tênis mundial. Emma Stone teve vários encontros com Billie Jean King, que lhe deu orientações para o trabalho em A Guerra dos Sexos. Sua reprodução dos trejeitos da tenista não é tão exata, mas a atriz oscarizada por La La Land está impecável na tarefa de transmitir as emoções conflitantes de uma partida emblemática para as mulheres do esporte. Billie Jean foi a primeira a se rebelar contra o sistema desigual de pagamento a atletas do sexo feminino. Criou um circuito independente de torneios, o Virginia Slims Series, berço da WTA, associação que até hoje rege o tênis profissional feminino. No mesmo período em que se empenhou pela igualdade de tratamento para homens e mulheres, Billie Jean descobriu-se homossexual. Teve um caso com uma mulher quando ainda era casada com um homem.

Os dois filmes conseguem deleitar inclusive a quem não é aficionado do tênis, mas, é claro, serão mais apreciados por fãs do esporte. O embate entre Borg e McEnroe — que, embora exibissem estilos opostos, tinham a inquietação comum aos gênios da raquete — permite entender melhor a dinâmica de outras rivalidades das quadras: Sampras contra Agassi, ou Federer contra Nadal, para citar apenas duas. E o exemplo de Billie Jean King desdobra-se para além dos torneios. Nas palavras do ex-­presidente americano Barack Obama, que em 2009 premiou a tenista com a Medalha Nacional da Liberdade, Billie Jean ajudou a mudar a forma como as mulheres, atletas ou não, viam a si mesmas: “Ela deu a qualquer um, sem importar o gênero ou a orientação sexual, uma chance de competir tanto na quadra quanto na vida”. A quadra e a vida são matéria para bom cinema.

Publicado em VEJA de 15 de novembro de 2017, edição nº 2556

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.