Clique e assine com até 92% de desconto

Muito abadá, pouco povo

Com militantes profissionais e esvaziados de presenças espontâneas, atos pró e contra Lula pouco disseram sobre o humor das ruas

Por Edgar Maciel e Eduardo Gonçalves Atualizado em 31 jan 2018, 16h21 - Publicado em 25 jan 2018, 06h00

Do alto de um trio elétrico na região central de Porto Alegre, a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, comemorava a rua repleta de camisas vermelhas, na véspera do julgamento do ex-presidente Lula pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4). “Conseguiram o impeachment de Dilma porque nós estávamos desorganizados. Mas agora nos reunimos de novo.” De fato, o PT e movimentos aliados levaram às ruas um contingente bem maior que os poucos manifestantes pró-Dilma Rousseff que desfilaram pela Avenida Paulista na época do impeachment.

Tratava-se, porém, de um feito mais aparente do que real. A massa vermelha que percorreu as principais ruas da capital gaúcha era composta quase exclusivamente de entidades historicamente alinhadas com o partido — como CUT, MST, MTST — e começou a se dispersar logo no início da tarde da quarta-feira 24, depois do voto do desembargador João Pedro Gebran Neto. “A viagem é longa até Joinville, por isso não vale a pena ficar até o final”, explicava Alcides Pires, militante do Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra, antes de embarcar no ônibus rumo a Santa Catarina. O clima de Carnaval — com rodas de samba, venda de cerveja e distribuição de sanduíches de pernil — passou então a dar lugar a uma atmosfera de Quarta-­Feira de Cinzas. Barracas começaram a ser desmontadas e o silêncio cresceu no ar.

O Carnaval da direita também não foi mais animado nem arrastou grandes públicos durante o julgamento. À frente dos grupos anti-Lula, os movimentos Brasil Livre e Vem Pra Rua, que já ajudaram a levar multidões às avenidas do país, mostraram pouca musculatura. Em São Paulo, a turma de verde e amarelo que ocupava a Avenida Paulista no horário da sessão não chegava a poucas centenas — e com presença forte de militantes. Fazia tempo na história recente que as ruas não diziam tão pouco.

Publicado em VEJA de 31 de janeiro de 2018, edição nº 2567

Continua após a publicidade
Publicidade