Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Luca Bueno: “Meu pai me banca”

Aos 16 anos, o filho caçula de Galvão Bueno conta com o apoio paterno para manter seu canal no YouTube

Por Eduardo F. Filho
Atualizado em 20 abr 2018, 06h00 - Publicado em 20 abr 2018, 06h00

É seu pai quem banca seu canal no YouTube? Sim. Quer dizer, não é um patrocínio tipo superprofissional. Ele é meu pai e me ajuda financeiramente. Quando preciso de uma câmera, cadeira ou algo para meu estúdio, peço e ele me dá.

Como é a sua relação com ele? Somos próximos. Na Copa, vamos à Rússia juntos. Meu pai vai antes para sentir o ambiente. Ele assiste aos meus vídeos e dá opinião. Costuma ser bem crítico sobre conteúdo e posição da câmera — se está bem enquadrada, se tem foco. Sempre diz: “Faz assim que fica mais dinâmico” ou “coloca assim que o enquadramento melhora”. A voz dele está marcada em mim. Desde pequeno, minha mãe me chama para assistir ao jogo da seleção e, quando ligo a TV, ouço a voz do meu pai: “É GOOOOOOOL”. Nunca enjoo da voz dele.

Por que você decidiu ser youtuber? Faço vídeos desde os meus 8 anos. Não para a internet, mas para a minha família e amigos. Aos 11, comecei a divulgá-los na internet. Claro que era um público bem menor (hoje, ele conta com 413 000 inscritos). Meu vídeo mais visto é sobre um concurso de figurinhas da Copa. Comprei álbuns e pacotinhos e escolhi, entre os seguidores, quem merecia ganhar.

Nesse vídeo, você aparece tirando 1 000 reais da carteira. Foi chamado de riquinho e mimado por gastar o valor de um salário mínimo em figurinhas. Chateou-se? Não. Peguei o dinheiro emprestado da minha mãe. Tenho uma rotina normal. Estudo bastante, gravo vídeos, pratico esporte e dirijo. Tenho meu carro (Porsche Cayman 718). Moro em Orlando, e tenho sorte de poder dirigir aqui.

Entre futebol e Fórmula 1, o que prefere? Gosto de basquete, tênis e Fórmula 1. Mas o futebol está na raiz do brasileiro. Dois dos meus irmãos correram na Stock Car, outro está no Orlando City (time de futebol) e meu pai é narrador, né?

Continua após a publicidade

Para quem você torce? Corinthians.

E seu pai? Juro que não faço ideia.

Publicado em VEJA de 25 de abril de 2018, edição nº 2579

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.