Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Estamos desconfiadas

O pessimismo com as eleições é maior entre as mulheres

Por Manoela Miklos
Atualizado em 4 jun 2024, 17h38 - Publicado em 17 ago 2018, 07h00

As candidaturas à Presidência foram registradas junto ao TSE. O momento é delicado. O sociólogo político americano Larry Diamond, professor da Universidade Stanford e pesquisador do Hoover, um think tank conservador, chama o processo que o mundo experimenta atualmente de recessão democrática. Um termo bastante útil, que descreve a erosão dos regimes democráticos pelo mundo. O Brasil não é exceção, as tendências preocupantes estão todas aqui também. A queda na qualidade do debate público é inegável, o ceticismo com relação aos processos de participação popular é enorme. O povo rejeita quem está no poder e parece pouco animado com as alternativas.

A mais recente pesquisa Retratos da Sociedade Brasileira — resultado da parceria do Ibope com a Confederação Nacional da Indústria (CNI), lançada no início de agosto — mostra que esse pessimismo é maior entre as mulheres. Comparando-se homens e mulheres, entre nós o próprio interesse na eleição é mais baixo, os índices de indecisão são mais altos e a propensão a votar nulo ou em branco é maior. São números recentes que fazem eco ao que pesquisas anteriores já revelavam. Diante desse cenário, vemos candidatas e candidatos articulando-se para comover esse eleitorado, que, ao mudar de ideia, pode definir a disputa presidencial.

Geraldo Alckmin (PSDB) e Ciro Gomes (PDT), entre outros, buscaram completar suas chapas com mulheres candidatas à Vice-Presidência. A candidatura do PT se aproximou da de Manuela D’Ávila (PCdoB), embora o desenho final da chapa ainda esteja sujeito a reviravoltas. A candidata Marina Silva (Rede) tem procurado reiterar posições que distensionem sua relação com o movimento por direitos das mulheres. Até mesmo Jair Bolsonaro (PSL) tem substituído o discurso misógino, que sempre lhe foi característico, por falas de caráter apenas profundamente sexista. É pouco, mas não deixa de ser revelador. Somados, esses fenômenos corroboram a tese de que quem almeja a faixa presidencial em 2019 sabe da importância do eleitorado feminino em 2018.

Contudo, cabe lembrar às chapas que dialogar com o eleitorado feminino significa bem mais do que garantir a diversidade formal das candidaturas e adotar fontes elegantes e cores como o rosa e o roxo em seus materiais de campanha. Conquistar nosso voto implica escutar nossas demandas — e elas são muitas. Outra pesquisa da CNI oferece algumas dicas a quem realmente quiser nos ouvir. O desemprego é o mais citado pelas mulheres entre os principais problemas do país. Os homens preferem citar a corrupção. Quanto às prioridades que devem mobilizar o próximo governo, mulheres preocupam-se sobretudo com mudanças sociais, em especial melhorias na saúde e redução da desigualdade. Além dessas pautas, claro que desejamos ver avanços e interditar retrocessos em temas que nos são historicamente caros, como o combate à violência contra a mulher. Enfim, somos muitas. Estamos desconfiadas. Mas temos interesses e estamos dispostas sempre a discuti-los. Queremos que nosso ceticismo seja dissolvido por propostas e pela vontade verdadeira de nos entender e atender.

Publicado em VEJA de 22 de agosto de 2018, edição nº 2596

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.