Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Câmbio automático

A valorização do dólar encarece viagens ao exterior e produtos importados — e vira nova ameaça à recuperação da economia

Por Bianca Alvarenga Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 4 jun 2024, 17h17 - Publicado em 18 Maio 2018, 06h00

O dólar mais caro é uma realidade que veio para ficar. Pela primeira vez em mais de dois anos, a cotação da moeda dos Estados Unidos superou a casa dos 3,70 reais. Em janeiro, estava em 3,15 reais. Má notícia para os brasileiros com viagens marcadas para o exterior e para quem depende de importações. O fenômeno, no entanto, vai muito além das nossas fronteiras. Tem raízes no intenso crescimento da economia americana, que pressiona a inflação por lá. Para combater a alta dos preços, o Fed, o banco central americano, decidiu subir os juros em ritmo mais acelerado que o previsto. E isso se reflete no aumento do rendimento dos títulos da dívida dos Estados Unidos, que são considerados os mais seguros do mundo.

É um revés e tanto para os países emergentes. Investidores estão saindo desses mercados para aplicar nos títulos americanos. Entre as moedas que mais perderam valor neste ano em relação ao dólar, o real só ficou atrás do peso argentino e da lira turca (veja o gráfico abaixo). No país vizinho, os efeitos mais agudos são explicados pela vulnerabilidade da economia.

No Brasil, a alta do dólar também tem explicações domésticas. Uma delas deriva de um dado positivo, a forte redução da taxa básica de juros (Selic) pelo Banco Central. Investidores que aplicavam no Brasil em busca de retornos mais elevados passaram a ter um ganho menor. Na última quarta, o BC decidiu manter a Selic em 6,5%, o seu menor nível histórico, interrompendo uma sequência de cortes. A expectativa no mercado era por uma nova redução, mas o banco passou um sinal de que está atento às mudanças no cenário. As incertezas sobre a condução da economia pelo futuro presidente também explicam a valorização do dólar, que acaba sendo um ativo para quem busca proteção financeira.

Continua após a publicidade

No passado recente, a alta expressiva da moeda americana causaria temores inflacionários, por causa de seu impacto sobre os preços de produtos importados. Mas desta vez parece ser diferente. A inflação no Brasil está abaixo dos 3% ao ano e reflete a fraqueza da atividade econômica. “O crédito continua caro, e isso afeta a recuperação”, diz Evandro Buccini, economista-­chefe da Rio Bravo Investimentos. O câmbio desvalorizado, no entanto, faz crescer a dívida contraída por empresas no exterior, o que amplia as incertezas sobre o mercado interno. Trata-­se, portanto, de mais um risco para a recuperação de uma economia que ainda cambaleia.

Publicado em VEJA de 23 de maio de 2018, edição nº 2583

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.