Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

A reação dos gigantes

Representantes da indústria da tecnologia prometem processar o governo americano na tentativa de reverter a decisão que acabou com a igualdade on-line

Por André Lopes Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 4 jun 2024, 17h39 - Publicado em 12 jan 2018, 06h00

“Nos vemos no tribunal”, postou a Netflix em seu perfil no Twitter, usando a clássica frase que os americanos dizem quando uma pendenga não tem solução amigável. O alvo da provocação era a Comissão Federal de Comunicações (FCC, na sigla em inglês), a Anatel americana. O motivo: o órgão derrubou, em dezembro, um decreto que garantia a chamada “neutralidade da internet”. Segundo esse conceito, que ganhou força de lei nos EUA na gestão Obama, o mundo virtual seria composto de uma estrada única, na qual os dados de todos os sites correm na mesma velocidade. Porém, com o aval do presidente Donald Trump, a decisão foi revertida. Sem a neutralidade, as operadoras de telefonia, que controlam a tal estrada, conseguiriam privilegiar certas empresas, como se estivessem criando duas estradas — uma rápida, pela qual trafegariam aqueles que pagam um “pedágio”; a outra lerda e esburacada, para quem não tem verba para tanto.

Além da Netflix, outros gigantes se uniram, publicamente, nessa cruzada. Entre eles, Twitter e Kickstarter. Nos bastidores, sabe-se que Google e Facebook planejam integrar o grupo. O consenso é que existe a necessidade de preservar o acesso igualitário à web para que a competição pelo mercado on-line seja justa para todos. Para formalizarem a oposição, as empresas emitiram uma declaração, por meio da Associação da Internet, com a promessa de manter a pressão sobre a FCC com processos judiciais. “Dificilmente a atitude levará à reversão imediata da decisão”, avalia o advogado Renato Opice Blum, coordenador do curso de direito digital do Insper, em São Paulo. “Mas, se com o tempo for provado mesmo que se alimentou uma desigualdade na disputa comercial, esse argumento poderá servir para revogar a medida.” No Brasil, continua tudo como está. O ministro Gilberto Kassab, das Comunicações, já disse que o governo nem pensa em acabar com a neutralidade na rede. É uma excelente notícia.

Publicado em VEJA de 17 de janeiro de 2018, edição nº 2565

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.