Clique e assine a partir de 9,90/mês

Igreja Maranata fecha as portas por Covid-19

Pandemia levou instituição religiosa a tomar medidas para evitar disseminação da doença. Cultos são transmitidos via streaming diariamente

Por Igreja Cristã Maranata - 27 Mar 2020, 15h00

Com 15 000 templos espalhados por 73 países e mais de 3 milhões de membros, conforme números do dicionário do Movimento Pentecostal, a Igreja Cristã Maranata (ICM) pausou as atividades presenciais em seus templos. Seguindo as recomendações de órgãos como a Organização Mundial da Saúde (OMS), ela seguirá com as portas fechadas até que a pandemia do Covid-19 seja controlada. 

O objetivo, segundo o pastor Josias Junior, gerente de comunicação da ICM, é evitar o contágio de membros da igreja e da sociedade, fazendo sua parte para amenizar as consequências da pandemia. “Cerca de 2 milhões de pessoas frequentam nossos cultos diariamente. Então, temos um importante papel, não só na pregação do evangelho, mas também na conscientização dos cidadãos no que diz respeito a responsabilidade social, ambiental e familiar”, ressalta. 

Os seminários quinzenais, que acontecem no Maanaim (local destinado ao ensino das doutrinas bíblicas aos membros) no Espírito Santo e reúnem cerca de 4 mil pessoas do Brasil e do exterior, também estão temporariamente suspensos. 

Ainda não há data prevista para o retorno das atividades normais da igreja, que está seguindo as orientações das autoridades sanitárias.

Serviços religiosos

A rotina de fé, mesmo com todos os desafios, não será interrompida. De acordo com o pastor, a ICM tem o compromisso de seguir oferecendo aos seus membros o momento do culto, que também ajuda a ter calma e renovar as energias. Para isso, estão sendo utilizadas a infraestrutura de gravação de conteúdo audiovisual da igreja, sua rádio, um sistema de transmissão via satélite, as redes sociais e um canal próprio de streaming da congregação para compartilhar cultos inéditos diariamente.

Continua após a publicidade

Essa estrutura já existe há 12 anos. Começou com o intuito de transmitir os seminários para os outros Maanains no Brasil, depois foi ampliada para atender à demanda de fiéis que estavam em outros fusos horários, doentes ou em situações que impedissem o acesso às igrejas, como conta Junior. “A transmissão via YouTube começou no início de 2019 e a publicação diária de cultos foi implementada no final de fevereiro, quando o atual cenário de saúde pública ainda estava em seu início”, diz. 

Além de compartilhar constantemente as orientações do Ministério da Saúde e indicar o isolamento a seus fiéis, a ICM colocou à disposição do Governo do Estado do Espírito Santo uma instalação com 30 000 m², que fica na confluência entre os municípios de Vitória, Serra e Cariacica, um local de fácil acesso e próximo ao aeroporto. 

O Maanaim de Carapina é composto por três galpões equipados com poço artesiano, sistema de captação de energia solar e banheiros. “Há espaço suficiente para a instalação de uma estrutura que atenda a uma grande quantidade de doentes, caso necessário”, afirma. 

Do ponto de vista profético

Como qualquer instituição, a igreja Maranata está trabalhando para que todos os seus serviços sigam funcionando, ainda que com adaptações. Do ponto de vista espiritual, a ICM espera que, mesmo respeitando a distância física, seus fiéis estejam ainda mais unidos em orações. “As pessoas estão buscando mais a Deus, com os corações partidos por perceber o flagelo pelo qual passa o país e o mundo, ao mesmo tempo em que exercitam sua fé no senhor”, diz o pastor. 

Encontrada na Bíblia, no livro de Coríntios, a palavra “maranata” significa “o rei vem” e representa uma mensagem de esperança. Junior acredita que todas as profecias descritas no livro sagrado se cumpriram e que falta apenas concretizar a volta de Jesus Cristo e o consequente arrebatamento da igreja. “Não sabemos se será hoje, amanhã, semana que vem ou ano que vem. Mas os sinais, dentre eles este que nos acomete agora, provam que está muito perto. O que estamos vivendo é um alerta”, profetiza.

Continua após a publicidade
ICM/Divulgação

Para entender a profecia

De acordo com o pastor Gedelti Gueiros, fundador e presidente da Igreja Cristã Maranata, a instituição tem o compromisso de analisar a Bíblia historicamente e também no viés profético, apontando os sinais encontrados, sempre que necessário. Um deles, afirma o religioso, se refere ao momento que o mundo vive hoje, com a pandemia de Covid-19. “Não temos por objetivo sensibilizar as pessoas que já estão amedrontadas e assustadas com as ocorrências. Nossa missão é alertá-las”, ressalta.

Confira as profecias, apontadas por Gueiros, como referências ao atual momento:

1ª passagem – Angústia das Nações:  

“E haverá sinais no sol e na lua e nas estrelas; e na terra angústia das nações, em perplexidade pelo bramido do mar e das ondas.” Lc 21:25

2ª passagem – Aflição:

Continua após a publicidade

“E, logo depois da aflição daqueles dias, o sol escurecerá, e a lua não dará a sua luz, e as estrelas cairão do céu, e as potências dos céus serão abaladas.” Mt 24:29

3ª passagem – Surpresa:

“Por isso, estai vós apercebidos também; porque o Filho do homem há de vir à hora em que não penseis.” Mt 24:44

Nesse trecho, explica o pastor, Jesus advertiria que o mundo seria pego de surpresa com sua volta, assim como a pandemia chegou sem aviso. “Essa é uma surpresa que está esboçada para nós diante da realidade que estamos vivendo. O senhor previu e preveniu quanto à surpresa de Sua vinda”, diz Gueiros

4ª passagem – Fome e pestes:

Continua após a publicidade

“Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá fomes, e pestes, e terremotos, em vários lugares.” Mt 24:7

Para o presidente da ICM, essas questões descritas estão estão evidentes com as consequências da pandemia. 

5ª passagem – A soltura dos animais simbólicos:“E olhei, e eis um cavalo amarelo e o que estava assentado sobre ele tinha por nome Morte, e o inferno o seguia; e foi-lhes dado poder para matar a quarta parte da terra, com espada, e com fome, e com peste, e com as feras da terra.” Ap 6:8

Essa é uma referência, diz Gueiros, da situação social, política, econômica e religiosa do mundo atualmente, representada pela figura de animais simbólicos: os cavalos vermelho, preto e amarelo. “O último animal simbólico (cavalo amarelo), é a somatória de toda situação vivida pelo mundo até aqui. O cavalo vermelho representa o sangue de batalhas travadas, a comercialização de armas e o abandono da produção agrícola, tendo como resultado a fome, que é caracterizada pelo cavalo preto”, conta.

Outra criatura mencionada nas escrituras, como relata o pastor, são as feras da terra. Apesar do que se espera, essa profecia diz respeito a seres microscópicos de terrível aparência, que transmitem veneno mortal para o homem, como é o caso de vírus e bactérias. “Esse aspecto profético não deve ser usado para amedrontar, mas mostra que tudo está dentro de um momento já esperado pelo próprio homem”. 

Continua após a publicidade

6ª passagem – O apelo:

“Davi edificou ali um altar ao Senhor e ofereceu holocaustos e sacrifícios de comunhão. Então o Senhor aceitou as súplicas em favor da terra e terminou a praga que destruía Israel.” II Sm 24:25

Por fim, a fé

Gueiros reforça que o que está sendo feito pela ciência é de suma importância, e precisa ser valorizado. Apesar das incertezas, ele não enxerga esse como sendo um momento de alarme ou de pânico e lembra que os recursos da fé também podem ser fundamentais em momentos de dificuldade. “Essa é uma oportunidade para todos aqueles que querem rever a sua posição diante de Deus e diante dos seus semelhantes. A oração é o melhor remédio, sem desprezar os recursos da ciência e, como igreja, devemos permanecer de joelhos, pedindo a Deus para que esta praga possa ser cessada, embora saibamos que é passageira e, mesmo assim, tem causado muito sofrimento”.

O assunto será aprofundado aos sábados, às 7h e aos domingos, às 14h, na RedeTV! e estará disponível nos canais digitais oficiais da Igreja Cristã Maranata. 

Publicidade