Clique e assine a partir de 9,90/mês

A revolta dos fiéis da África contra a Igreja Universal

A Iurd vive crise com um levante de suas lideranças em Angola, a depredação de templos em São Tomé e a prisão de um pastor na Costa do Marfim

Por Eduardo Gonçalves - Atualizado em 13 dez 2019, 11h45 - Publicado em 13 dez 2019, 06h00

Os frutos do plano de expansão para o exterior da Igreja Universal do Reino de Deus (Iurd) não se multiplicaram por milagre. Eles foram resultado de um planejamento cuidadoso, posto em prática a partir da década de 80 pelo bispo Edir Macedo, que exportou o modelo de atuação da Iurd para cinco continentes. Atualmente, a instituição tem cerca de 2 800 templos espalhados por mais de 100 países. A África se revelou o terreno mais fértil para esse crescimento formidável, concentrando hoje a maior parte da operação internacional. Ali, não faltam pessoas privadas dos bens mais básicos, assoladas por doenças e ávidas pelos dois principais “produtos” oferecidos pela instituição neopentecostal, prosperidade e cura. Nos últimos meses, no entanto, a grande presença dos religiosos brasileiros começou a ser posta em xeque em algumas nações da região e o quadro evoluiu para uma grande crise internacional. Os focos de problemas incluem a prisão de um pastor na Costa do Marfim, a depredação de seis templos em São Tomé e Príncipe e um manifesto assinado por 330 pastores de Angola contra a cúpula da Universal.

O estopim da confusão foi aceso em 9 de setembro, quando ocorreu a prisão na Costa do Marfim do pastor são-tomense Iudumilo da Costa Veloso, de 37 anos, que faz parte dos quadros da Universal há duas décadas. Segundo ele, a própria igreja o denunciou por difamação, atribuindo-lhe a autoria de um perfil no Facebook que fazia denúncias contra as lideranças brasileiras da Iurd por discriminação e humilhação de pastores africanos, por obrigá-los a esterilizar-se para se dedicarem integralmente à causa de Edir Macedo e por enviarem ilegalmente ao Brasil dinheiro de dízimos e doações levantado em países africanos. Em menos de duas semanas, o pastor foi julgado e condenado, sem direito a defesa. Acabou indo para uma das piores prisões da Costa do Marfim, Maca, em Abidjan. Lá, ficou numa cela com mais de 100 detentos, pegou malária e foi ameaçado de morte. “Não existe nada pior no mundo, e olha que já vivi no meio da pobreza e da guerra. Estava cercado por drogados e assassinos. Fui agredido três vezes por prisioneiros que queriam roubar o meu dinheiro. Quando nos deitávamos, só tinha espaço para encostar um lado do corpo. Eu pensava a todo tempo que não iria escapar daquele inferno”, disse Iudumilo a VEJA. Ele saiu da prisão há uma semana, depois de uma forte campanha popular em seu país.

SÍMBOLO – Iudumilo Veloso: 45 dias na cadeia, acusado de difamação //Divulgação

Nas redes sociais, a mulher do pastor denunciou as condições precárias em que se encontrava o marido e como ele fora perseguido pela Universal em conluio com as autoridades locais. Em protesto, a população de São Tomé, uma ilha na África Subsaariana com 200 000 habitantes, saiu às ruas, depredou pelo menos seis templos, incluindo a igreja matriz, e incendiou carros e bens da entidade — um adolescente de 13 anos acabou morrendo ao ser baleado pela polícia, que tentava conter os atos. Diante da revolta, o Congresso Nacional do país entrou em cena, criou uma CPI para investigar o caso e ameaçou a Universal de expulsão caso não resolvesse o problema do pastor. A igreja terminou cedendo, retirou a queixa e Iudumilo foi libertado após 45 dias de cárcere. “São Tomé é conhecido como o país mais pacífico da África, nunca tivemos um protesto dessa dimensão”, afirma a advogada Celiza de Deus Lima, defensora do pastor. “Isso acontece não só por solidariedade, mas porque há um sentimento na sociedade de repúdio à forma como a igreja explora a fragilidade dos mais pobres.”

EXPANSÃO – Edir Macedo na África do Sul: mais de 1 000 templos no continente //Divulgação

No maior levante visto até agora contra a hierarquia da igreja comandada com mão de ferro por Edir Macedo, 330 pastores da Universal em Angola divulgaram uma carta-manifesto em que anunciam o rompimento com o bispo e a cúpula brasileira, por acusações semelhantes às que provocaram revolta em São Tomé. A Universal reagiu dizendo que não houve ruptura nenhuma. Para apurarem as denúncias, as autoridades angolanas abriram uma investigação. O país de 30 milhões de habitantes é o que concentra um dos maiores números de templos no exterior (aproximadamente 230). No Brasil, a Universal já foi condenada em três processos na Justiça Trabalhista por obrigar seus pastores a se esterilizarem. “Essa prática nasceu aqui e foi exportada para Angola e outros países africanos”, diz a advogada Marcia Regina de Souza, que já entrou com mais de 100 processos no Brasil em defesa de clientes contrários a esse tipo de determinação.

Continua após a publicidade

Em nota, a Universal negou as acusações na África e diz ser alvo de uma campanha de calúnias e denúncias falsas conduzida por “ex-pastores desvinculados por desvio moral e condutas criminosas”. Para contornar a crise, a igreja enviou para lá o deputado federal Márcio Marinho (Rep-BA), pastor baiano que é também o presidente dos grupos parlamentares que representam Angola, Moçambique e Cabo Verde no Congresso Nacional. “Há uma vontade muito grande de resolver essa situação o mais rápido possível, e peço à população que se tranquilize”, disse Marinho em entrevista recente em São Tomé. O deputado terá de enfrentar agora uma campanha movida pelo pastor Iudumilo. Em liberdade, ele está engajado na denúncia dos desmandos da Iurd. Como se não bastasse, outros focos de problemas surgem em países como Moçambique. A África permanece como um território em chamas dentro dos domínios da Universal no exterior.

Em respostas enviadas pela Universal após a publicação da matéria, a instituição esclarece o seguinte: 

Sobre a carta-manifesto em Angola, “oito pastores, que foram desligados, organizaram o movimento e coletaram as assinaturas para a carta a partir de uma fraude: aqueles que a assinaram, denunciaram que foi apresentado um papel em branco, cujo teor anexado não teria qualquer relação ao que foi apresentado posteriormente”.

Sobre o caso do pastor Iudumilo, “a Universal costa-marfinense vinha sofrendo agressões e ameaças, com mentiras e ataques contra oficiais da Universal. A Igreja acionou a Policia da Costa do Marfim em abril de 2019 para que os autores fossem identificados, sem saber quem eles eram porque espalhavam calúnias anonimamente. O ex-pastor confessou à Justiça que mentiu e caluniou contra a instituição”.

Continua após a publicidade

Publicado em VEJA de 18 de dezembro de 2019, edição nº 2665

Publicidade