Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Wajngarten diz ter ouvido rumores sobre prisão de Pazuello

Os boatos, diz o ex-chefe da Secom, aceleraram a troca, em março, do comando do Ministério da Saúde

Por Laryssa Borges Atualizado em 26 abr 2021, 08h26 - Publicado em 25 abr 2021, 16h20

No início de fevereiro, o então chefe da Secretaria Especial de Comunicação (Secom) do governo Bolsonaro Fabio Wajngarten ouviu que o general Eduardo Pazuello corria o sério risco de ser preso. À frente do Ministério da Saúde, pasta responsável pelas políticas de enfrentamento da pandemia, Pazuello acumulava importante desgaste político, insistia em tratamentos sem eficácia comprovada, era cobrado – e tentara se eximir de responsabilidade – pela falta de cilindros de oxigênio em Manaus e não conseguia viabilizar a compra massiva de vacinas contra a Covid-19.

Às vésperas do início dos trabalhos da CPI da Pandemia no Senado, Wajngarten concedeu entrevista exclusiva a VEJA em que atribuiu ao Ministério da Saúde “incompetência” e “ineficiência” nas negociações para a aquisição dos imunizantes.

  • O  publicitário disse que, em março, pouco antes da demissão do ministro, os  rumores sobre a iminente detenção de Pazuello se intensificaram . “Ouvi que havia essa possibilidade. Não sei se era fato ou especulação”, disse ele. Os boatos aceleraram a troca do general pelo cardiologista Marcelo Queiroga.

    Desde o início do governo Bolsonaro, ministros militares e integrantes da chamada ala ideológica travaram uma batalha, nem sempre silenciosa, em busca de influenciar o presidente. Os ideológicos, grupo em que se inclui Fabio Wajngarten, conseguiram desalojar dos cargos, entre outros, os generais Carlos Alberto Santos Cruz (Secretaria de Governo), Otávio Rego Barros (porta-voz da Presidência)e Fernando Azevedo (Ministério da Defesa). Com as acusações do ex-chefe da Secom e a queda de Pazuello, a rivalidade entre os dois grupos atingiu seu ponto mais alto.

     

    Continua após a publicidade
    Publicidade