Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Vou confiar em Queiroz ‘até que provem o contrário’, diz Bolsonaro

Presidente criticou quebra de sigilo bancário do motorista e afirmou que tinha conhecimento de este fazia 'rolo' de compra e venda de carros

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) comentou, durante uma entrevista ao SBT Brasil, o caso do motorista Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador eleito Flavio Bolsonaro (PSL-RJ) investigado por movimentação financeira atípica. Bolsonaro afirmou que segue confiando em Queiroz “até que provem o contrário”, apesar de ter decidido não manter contato com o motorista enquanto prosseguirem as investigações.

Ele também defendeu a punição do ex-assessor caso se confirmem as suspeitas: “Se tiver algo errado, que pague a conta quem cometeu esse erro”. Em uma entrevista, Queiroz afirmou que a movimentação financeira de 1,2 milhão de reais encontrada em sua conta tem relação, entre outras coisas, com a compra e venda de carros.

Bolsonaro afirmou que tinha ciência dessa atividade paralela do motorista – que chamou de “rolo” – e que emprestou a ele 40.000 reais, como também fez a outros amigos e assessores, sem cobrança de juros. O presidente criticou a quebra do sigilo bancário do motorista, que, na visão dele, foi ilegal e feita apenas para atingi-lo.

Pente fino

O novo chefe de governo confirmou ter orientado seus ministros, durante reunião realizada nesta quinta-feira 3, para revisarem os atos adotados nos últimos trinta dias do governo do ex-presidente Michel Temer (MDB).

Ele citou como exemplo a decisão da ministra dos Direitos Humanos, Damares Alves, que suspendeu um contrato de 44,9 milhões de reais da Fundação Nacional do Índio (Funai) com a Universidade Federal Fluminense (UFF) para a criação de uma criptomoeda indígena.

Armas

O presidente Jair Bolsonaro deu mais detalhes sobre o anúncio feito na semana passada, de que pretende facilitar por decreto a posse de armas no Brasil. Segundo Bolsonaro, a regra vai mexer nos critérios da Polícia Federal para analisar a chamada “efetiva necessidade”, justificativa que o interessado deve apresentar ao solicitar a autorização para adquirir uma arma de fogo.

Ele ainda afirmou que pretende flexibilizar o porte desse artefato, ou seja, a autorização para carregá-lo na rua, o que não descarta também fazer através de um decreto presidencial. E citou também a sua defesa do chamado “excludente de ilicitude”, para que não haja punição em caso de assassinato em legítima defesa.

Esquerda

Questionado sobre a ausência de governadores do Nordeste em sua posse, a maior parte deles filiados a partidos políticos de esquerda, Bolsonaro afirmou que “não pode fazer uma guerra” com os políticos porque isto prejudicaria a população e reiterou a intenção de estabelecer uma parceria com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, para adotar políticas contra a seca.

No Congresso Nacional, classificou como “radicais” deputados de partidos políticos como o PT e o PSOL e disse não ver espaço para negociação com essas legendas. Ao seu lado, disse que não pode “se fazer de santo” e que também não tem interesse em “ser apoiado por todo mundo”.

Ele repetiu que não vai se meter na decisão do PSL de apoiar a reeleição do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e que tem boa relação com os candidatos colocados.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Paulo Bandarra

    Não me lembro de Bolsonaro ter criticado isto quando as vítimas foram seus inimigos políticos.

    Curtir

  2. Paulo Bandarra

    Mais de um mês e ainda não existe explicação crível.

    Curtir