Clique e assine a partir de 9,90/mês

Vou confiar em Queiroz ‘até que provem o contrário’, diz Bolsonaro

Presidente criticou quebra de sigilo bancário do motorista e afirmou que tinha conhecimento de este fazia 'rolo' de compra e venda de carros

Por Guilherme Venaglia - Atualizado em 9 jan 2019, 20h00 - Publicado em 3 jan 2019, 22h01

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) comentou, durante uma entrevista ao SBT Brasil, o caso do motorista Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador eleito Flavio Bolsonaro (PSL-RJ) investigado por movimentação financeira atípica. Bolsonaro afirmou que segue confiando em Queiroz “até que provem o contrário”, apesar de ter decidido não manter contato com o motorista enquanto prosseguirem as investigações.

Ele também defendeu a punição do ex-assessor caso se confirmem as suspeitas: “Se tiver algo errado, que pague a conta quem cometeu esse erro”. Em uma entrevista, Queiroz afirmou que a movimentação financeira de 1,2 milhão de reais encontrada em sua conta tem relação, entre outras coisas, com a compra e venda de carros.

Bolsonaro afirmou que tinha ciência dessa atividade paralela do motorista – que chamou de “rolo” – e que emprestou a ele 40.000 reais, como também fez a outros amigos e assessores, sem cobrança de juros. O presidente criticou a quebra do sigilo bancário do motorista, que, na visão dele, foi ilegal e feita apenas para atingi-lo.

Pente fino

O novo chefe de governo confirmou ter orientado seus ministros, durante reunião realizada nesta quinta-feira 3, para revisarem os atos adotados nos últimos trinta dias do governo do ex-presidente Michel Temer (MDB).

Continua após a publicidade

Ele citou como exemplo a decisão da ministra dos Direitos Humanos, Damares Alves, que suspendeu um contrato de 44,9 milhões de reais da Fundação Nacional do Índio (Funai) com a Universidade Federal Fluminense (UFF) para a criação de uma criptomoeda indígena.

Armas

O presidente Jair Bolsonaro deu mais detalhes sobre o anúncio feito na semana passada, de que pretende facilitar por decreto a posse de armas no Brasil. Segundo Bolsonaro, a regra vai mexer nos critérios da Polícia Federal para analisar a chamada “efetiva necessidade”, justificativa que o interessado deve apresentar ao solicitar a autorização para adquirir uma arma de fogo.

Ele ainda afirmou que pretende flexibilizar o porte desse artefato, ou seja, a autorização para carregá-lo na rua, o que não descarta também fazer através de um decreto presidencial. E citou também a sua defesa do chamado “excludente de ilicitude”, para que não haja punição em caso de assassinato em legítima defesa.

Esquerda

Questionado sobre a ausência de governadores do Nordeste em sua posse, a maior parte deles filiados a partidos políticos de esquerda, Bolsonaro afirmou que “não pode fazer uma guerra” com os políticos porque isto prejudicaria a população e reiterou a intenção de estabelecer uma parceria com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, para adotar políticas contra a seca.

Continua após a publicidade

No Congresso Nacional, classificou como “radicais” deputados de partidos políticos como o PT e o PSOL e disse não ver espaço para negociação com essas legendas. Ao seu lado, disse que não pode “se fazer de santo” e que também não tem interesse em “ser apoiado por todo mundo”.

Ele repetiu que não vai se meter na decisão do PSL de apoiar a reeleição do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e que tem boa relação com os candidatos colocados.

Publicidade