Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Viúva de Marielle pede investigação sobre ‘toda e qualquer pessoa’

Sem citar Bolsonaro ou reportagem do 'Jornal Nacional', Monica Benicio afirma que notícias sobre o crime são 'gravíssimas' e 'muito importantes'

A arquiteta Monica Benicio, viúva da vereadora do Rio de Janeiro Marielle Franco, manifestou-se nesta quarta-feira, 30, depois de o Jornal Nacional, da TV Globo, revelar o conteúdo do depoimento de um porteiro segundo o qual um dos suspeitos do assassinato de Marielle foi à casa de seu comparsa na noite do crime, em março de 2018, e entrou no condomínio dizendo que iria à casa do então deputado Jair Bolsonaro.

Por meio de nota, sem citar o conteúdo da reportagem do telejornal ou o nome de Bolsonaro, Monica disse que as notícias relacionadas à morte da vereadora são “gravíssimas” e “muito importantes” e afirmou esperar que “todas as instituições brasileiras responsáveis pela realização da justiça investiguem com profundidade e isenção, o envolvimento de toda e qualquer pessoa que possa ter algum tipo de relação com esse crime hediondo”.

No texto, a viúva da vereadora pede acesso a informações dos inquéritos que apuram a morte de Marielle, todos em segredo de Justiça. “Além de muito doloroso, é inaceitável e inconstitucional que à família seja negado o direito de acompanhar integralmente a apuração deste caso, ao mesmo tempo que a sociedade brasileira e o mundo exigem uma resposta. A recusa de dar o direito a um acompanhamento completo do caso só me gera mais sofrimento”, diz Monica.

Reportagem da TV Globo exibida nesta terça-feira, 29, citou o nome de Bolsonaro na investigação do caso Marielle Franco. De acordo com a matéria, a Polícia Civil do Rio de Janeiro teve acesso ao caderno de visitas do condomínio Vivendas da Barra, na Zona Oeste do Rio, onde têm casa o presidente e o ex-policial militar Ronnie Lessa, acusado da morte da vereadora do PSOL. Conforme as informações divulgadas pelo JN, no dia 14 de março de 2018, horas antes do crime, o ex-PM Élcio de Queiroz, outro suspeito, teria anunciado ao porteiro do condomínio que iria visitar Jair Bolsonaro e acabou indo até a casa de Lessa.

Bolsonaro estava em Brasília no dia 14 de março de 2018 e registrou presença em duas sessões na Câmara, onde exercia o mandato de deputado federal, versão também mostrada pela reportagem.

O Ministério Público do Rio de Janeiro confirmou na tarde de hoje que o porteiro que citou o nome de Bolsonaro mentiu em seu depoimento à Polícia Civil. Segundo a promotora Simone Sibilio, chefe do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco), quam autorizou a entrada de Queiroz no condomínio foi Lessa. “Pode ter sido um equívoco, pode ter sido por vários motivos que o porteiro mencionou a casa 58 (de Jair Bolsonaro). E eles serão apurados”, declarou a promotora.

Veja abaixo a íntegra da nota divulgada pela viúva de Marielle Franco:

Uma dor que já dura quase 600 dias. As notícias relacionadas à execução de uma vereadora democraticamente eleita, em exercício de seu mandato, sejam elas quais forem, são gravíssimas. Porque a situação é gravíssima! Grave, porque fere o direito à vida. Grave, porque fere a democracia. Grave, porque há mais de um ano e sete meses não tenho a resposta para o que aconteceu. A verdade é que a resposta para quem mandou matar Marielle e quais foram as motivações desse crime não trará nem ela, nem Anderson de volta. Mas é preciso falar da dor para além da política, e é desse lugar que vem minha voz ou que ecoa meu silêncio.

É preciso dizer que, nos últimos dias, mais uma vez, fui surpreendida por informações muito importantes, de forma dolorosa, por meio da imprensa. Informações cujo acesso me é negado sob a justificativa de que as investigações correm sob segredo de Justiça. Desde o início do caso, tenho dedicado minha vida a acompanhar o processo de perto e a cobrar justiça. Solicitei, desde o início, acesso aos processos e inquéritos que apuram os autores, mandantes e a motivação do crime que levou ao assassinato da minha esposa. A mais recente recusa se deu no pedido de informações sobre os autos que tramitam no Superior Tribunal de Justiça. Defendo que o processo ocorra de maneira segura, comprometido com a verdade dos fatos, mas que seja de forma transparente respeito o direto de acesso da família. De um lado sofro com a falta de informação, de outro com a imprensa me perguntando sobre algo que não pude acessar.

Além de muito doloroso, é inaceitável e inconstitucional que à família seja negado o direito de acompanhar integralmente a apuração deste caso, ao mesmo tempo que a sociedade brasileira e o mundo exigem uma resposta. A recusa de dar o direito a um acompanhamento completo do caso só me gera mais sofrimento.

Nesse momento, só me cabe dizer que espero que todas as instituições brasileiras responsáveis pela realização da justiça investiguem com profundidade e isenção, o envolvimento de toda e qualquer pessoa que possa ter algum tipo de relação com esse crime hediondo.

Os responsáveis devem ser identificados e devidamente responsabilizados pelo que fizeram para que nunca mais algo parecido possa voltar a ocorrer nesse país. Em nome de todo o amor que sinto por Marielle e respeito que tenho à democracia do meu país, a única coisa que espero das autoridades brasileiras é justiça. E essa satisfação o Brasil hoje deve ao mundo que quer saber: Quem mandou matar Marielle e por quê?