Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Vídeo mostra apreensão de propina, relógios e perfumes

Material foi encontrado na sede da empresa Arxo, em Balneário Piaçarras (SC), investigada por pagamento de propina em contratos da BR Distribuidora

Por Daniel Haidar Atualizado em 10 dez 2018, 11h08 - Publicado em 5 fev 2015, 19h07

Um vídeo feito pela Polícia Federal mostra a apreensão de pilhas de dinheiro escondido na sala do empresário Gilson João Pereira, sócio da Arxo, em uma estante na qual também há diversas canetas de luxo e frascos de perfume importado. Na mesma empresa, sediada em Balneário Piçarras (SC), foram apreendidos quase 500 relógios de luxo. A empresa é um dos alvos da nona fase da Operação Lava Jato.

https://www.youtube.com/watch?v=5fH7MbUP3Wo

Fabricante de tanques de combustível, a empresa é investigada pela suspeita de ter realizado pagamentos de propina para ser beneficiada em contratos da BR Distribuidora. A nona fase da operação também investiga o tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, e outros 10 operadores envolvidos no pagamento de propinas e no desvio de recursos da esquema de corrupção, que atuavam na Diretoria de Serviços da Petrobras no período em que foi comandada por Renato Duque, indicado ao cargo pelo ex-ministro José Dirceu.

Leia também:

PT recebeu até US$ 200 mi em propina, diz delator

Nona fase da Lava Jato acaba com chances de sobrevivência da Sete Brasil

Nova fase da Lava Jato mira Vaccari e mais 10 operadores de propina na Petrobras

Os policiais ainda contam a quantidade total de dinheiro apreendido. Gilson João Pereira foi preso, alvo de um mandado de prisão temporária, e o sócio dele, João Gualberto Pereira Neto, está nos Estados Unidos e deve ser detido assim que retornar ao país. Também foi preso temporariamente um diretor da Arxo.

Foragido – A Polícia Federal ainda procura o operador Mário Goes, alvo de um mandado de prisão preventiva. De acordo com depoimento do delator Pedro Barusco, ex-gerente de Serviços da Petrobras, Goes era o responsável pelo pagamento de propina a mando das seguintes empresas: UTC, MPE, OAS, Mendes Júnior, Andrade Gutierrez, Schain, Carioca Engenharia e Bueno Engenharia. No total, foram expedidos um mandado de prisão preventiva, três de prisão temporária, dezoito conduções coercitivas e quarenta de busca e apreensão.

Continua após a publicidade

Publicidade