Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Valério diz que foi ameaçado para salvar o governo Lula

Delator do mensalão diz que pedido, feito por Paulo Okamotto, tinha por objetivo "segurar o presidente Lula no governo"

Por Hugo Marques Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 1 jul 2022, 15h40 - Publicado em 1 jul 2022, 11h01

Em sua delação premiada fechada com a Polícia Federal e que foi homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), o empresário Marcos Valério Fernandes de Souza, operador do maior escândalo de corrupção do governo petista antes da Lava-Jato, afirmou que foi ameaçado de morte quando foi prestar depoimento à CPI dos Correios, em 2005. A ameaça, diz ele, foi feita por Paulo Okamotto, ex-presidente do Sebrae e do Instituto Lula e que atualmente coordena a criação de “comitês populares” do PT na campanha do ex-presidente.

Em seus depoimentos, Valério relatou que, no dia em que iria revelar detalhes do mensalão à então comissão parlamentar de inquérito que apurava o caso, Okamotto o procurou, informou a ele que vinha “a mando do presidente” e pediu que, como operador do mensalão, não revelasse tudo o que sabia para os parlamentares da CPI. A memória seletiva seria, diz o delator, uma forma de colaborar para “segurar o presidente Lula no governo”.

Depois, em outro encontro na Academia de Tênis, hotel que existia em Brasília próximo do Palácio do Planalto, em meio a uma briga com Okamotto, ouviu a ameaça de morte. Segundo o operador do mensalão, o aliado de Lula afirmou a ele que uma turma do PT achava que deveriam fazer com Valério o mesmo que fizeram com Celso Daniel. Ex-prefeito de Santo André e então coordenador do programa da campanha de Lula à Presidência da República, Daniel foi assassinado em janeiro de 2002.

Continua após a publicidade

Procurado por VEJA, Paulo Okamotto declarou que se trata de “invenções” de Marcos Valério. “Já houve pedido de abertura de inquérito, investigação, já investigou, fechou, encerrou, começou de novo, sei lá”, diz.

Marcos Valério foi condenado pela Suprema Corte a 37 anos de cadeia por coordenar o núcleo financeiro de pagamento de propina a parlamentares em troca de apoio ao primeiro mandato de Lula. Ele cumpre pena desde 2013 por crimes como corrupção ativa, peculato e lavagem de dinheiro e atualmente está em prisão domiciliar.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.