Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Valério afirma que PT paga a sua defesa no STF

Em depoimento ao MP, empresário disse que os 4 milhões de reais pagos aos seus advogados foi a única "contrapartida pela ajuda" que deu ao PT

Por Da Redação 11 dez 2012, 10h41

Os 4 milhões de reais pedidos pela defesa de Marcos Valério para defendê-lo nos processos relacionados ao mensalão são pagos pelo PT, segundo afirmou o empresário no depoimento à Procuradoria-Geral da República, realizado após sua condenação a 40 anos de prisão por comandar o esquema. Valério afirmou que esta foi a única “contrapartida pela ajuda” que prestou ao governo e ao PT nas operações que viriam a bancar o mensalão.

Na última das 13 páginas do depoimento, datado de 24 de setembro, Valério responde a pergunta feita pelas procuradoras da República Cláudia Sampaio e Raquel Branquinho sobre o que recebeu em troca pelo envolvimento no esquema. O empresário é defendido pelo advogado Marcelo Leonardo no Supremo Tribunal Federal. Nas palavras de Valério, foi “a contrapartida” pela participação dele no esquema.

Condenado a 40 anos, 4 meses e 6 dias de prisão, Valério terá também de pagar aproximadamente 2,7 milhões de reais no processo do mensalão.

Leia também:

Leia também: Lula teve despesas pagas pelo mensalão, diz Valério

Continua após a publicidade

Outros processos – Valério ainda responde a outros processos. Em um deles, foi denunciado por envolvimento com o mensalão mineiro, que envolve tucanos de Minas Gerais, entre eles Eduardo Azeredo, ex-governador, ex-presidente do partido e atualmente deputado.

O julgamento do mensalão concluiu, diferentemente do que disse Valério no depoimento, que sua “contrapartida” foi maior que os 4 milhões que teria recebido para bancar sua defesa no escândalo.

No contrato da sua agência de publicidade SMP&B com a Câmara dos Deputados, o empresário se beneficiou com o desvio de mais de 1 milhão de reais. Valério e seus sócios também teriam desviado quase 3 milhões em um contrato com o Banco do Brasil. As investigações do MP mostraram também que o empresário deu um rombo de mais de 73 milhões no Fundo Visanet, com a ajuda do então diretor de Marketing do Banco do Brasil, Henrique Pizzolato, que foi condenado a 12 anos e 7 meses de prisão por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e peculato.

Resposta – A assessoria de imprensa da direção nacional do PT disse nesta segunda-feira que o partido não pagou nenhum honorário dos advogados do empresário Marcos Valério no processo do mensalão. “O PT informa que o partido não pagou honorários aos advogados de Marcos Valério”, disse o partido em nota. O criminalista Marcelo Leonardo não se manifestou sobre o depoimento. “Nada a declarar, vou esperar acabar esse julgamento.”

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês