Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Usuários de redes sociais convocam novo panelaço contra Bolsonaro

Manifestação contra o presidente é organizada pela oposição desde sexta-feira 13; na terça-feira, atos espontâneos já ocorreram em São Paulo, Rio e Brasília

Por Da Redação Atualizado em 18 mar 2020, 14h31 - Publicado em 18 mar 2020, 12h53

Um panelaço contra o presidente Jair Bolsonaro – batizado de “Vozes da janela contra Bolsonaro” – está sendo convocado nas redes sociais para as 20h30 desta quarta-feira, 18, um dia depois de manifestações espontâneas desse tipo terem sido verificadas em bairros nobres de cidades como São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília.

O ato desta quarta-feira já estava sendo convocado desde a sexta-feira 13, quando movimentos, entidades e partidos de esquerda anunciaram o cancelamento das manifestações de rua previstas para o dia 18 em razão do avanço do coronavírus no país. “Basta! Fora, Bolsonaro. Manifeste-se de sua janela. Espalhe essa ideia, compartilhe com cinco amigos”, diz um dos posts mais divulgados nas redes sociais.

 

Como mostra o Radar, bolsonaristas, com o apoio dos filhos do presidente, preparam uma resposta. A estratégia é lançar palavras de ordem contra o Congresso Nacional, o mesmo mote que levou às ruas manifestantes em apoio ao governo no dia 15 de março, mesmo com recomendações das autoridades de saúde pública que fossem evitadas aglomerações – o próprio presidente chegou a cumprimentar manifestantes em frente ao Palácio do Planalto.

Continua após a publicidade

O panelaço de terça-feira ocorreu poucas horas depois de o deputado distrital de Brasília Leandro Grass, da Rede, ter apresentado ao Congresso Nacional o primeiro pedido de impeachment contra Bolsonaro após o início da crise envolvendo o coronavírus. De manhã, Bolsonaro voltou a afirmar que há “uma certa histeria” em relação à doença. “Esse vírus trouxe uma certa histeria. Tem alguns governadores, no meu entender, posso até estar errado, que estão tomando medidas que vão prejudicar e muito a nossa economia”, disse em entrevista à rádio Super Tupi. “A vida continua, não tem que ter histeria. Não é porque tem uma aglomeração de pessoas aqui e acolá esporadicamente que tem que ser atacado exatamente isso. Tirar a histeria. Agora, o que acontece? Prejudica”, acrescentou.

A noite, porém, o governo anunciou que solicitará ao Congresso o reconhecimento do estado de calamidade pública no país em razão da doença – a ideia é que a medida vigore até 31 de dezembro deste ano. “O reconhecimento do estado de calamidade pública tem suporte no disposto no art. 65 da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) o qual dispensa a União do atingimento da meta de resultado fiscal prevista na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e, em consequência, da limitação de empenho prevista na LRF”, diz nota da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.