Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Último ícone da Lava-Jato, Marcelo Bretas será julgado na terça-feira

Juiz que condenou políticos e empresários do Rio de Janeiro agora está no papel de investigado

Por Laryssa Borges Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 24 fev 2023, 10h06 - Publicado em 24 fev 2023, 06h00

Nos últimos três meses, desembargadores e juízes e até delatores reuniram um conjunto de inquéritos em segredo de Justiça, depoimentos de testemunhas, relatórios policiais, mensagens trocadas em aplicativos e arquivos de computador e encaminharam tudo ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ). O material foi anexado a dois processos sigilosos que têm como alvo um personagem que nos últimos anos determinou a prisão de um ex-presidente da República e de três ex-governadores e tocou apurações que envolveram mais de 900 pessoas e que resultaram na recuperação de cerca de 4 bilhões de reais que haviam sido desviados dos cofres públicos. Responsável pelo braço da Lava-Jato no Rio de Janeiro, o juiz Marcelo Bretas está agora no papel de investigado e será julgado publicamente na terça-feira 28, sob a alegação de que mantinha uma parceria espúria com procuradores e um advogado para direcionar processos, combinar sentenças e conduzir apurações clandestinas contra alvos predefinidos.

Nessa data o CNJ, órgão responsável por investigar abusos e irregularidades praticados por magistrados, vai decidir se instaurará ou não processo administrativo disciplinar contra Bretas por desvio de conduta e se pretende impor a ele alguma penalidade antecipada — na mais radical delas, conselheiros podem deliberar sobre seu afastamento imediato do cargo. “É a última ponta solta da Lava-Jato”, confidenciou a VEJA um juiz que acompanha o caso. É assim, com ares de acerto de contas, que membros do Conselho tratam o julgamento e a provável punição do magistrado que, ao lado de Sergio Moro no Paraná, protagonizou a maior operação de combate à corrupção da história do país, que resultou na prisão de políticos como o ex-­presidente Michel Temer e o ex-governador do Rio Sérgio Cabral.

LAUDO - Relatório: a polícia destaca conversas estranhas encontradas no telefone de um dos suspeitos -
LAUDO - Relatório: a polícia destaca conversas estranhas encontradas no telefone de um dos suspeitos – (./.)

arte conversa

O cerco a Marcelo Bretas teve início após uma reportagem de VEJA revelar, em 2021, que o criminalista Nythalmar Dias Ferreira Filho procurou a Justiça para acusar o magistrado de perseguir investigados, orientar estratégias de defesa e negociar penas, e ganhou reforço após um delator contar que havia investigações clandestinas na vara conduzida pelo juiz, que Nythalmar tinha acesso ilegal e antecipado a quebras de sigilo de investigados e que acordos de colaboração eram forjados para incriminar determinadas pessoas. Em novembro passado, o CNJ determinou uma fiscalização extraordinária na vara do magistrado e, por ordem do corregedor Luis Felipe Salomão, documentos e o computador de uso exclusivo do juiz foram recolhidos como provas.

Continua após a publicidade

Nythalmar é o pivô desse caso. Advogado modesto, ele passou de uma hora para outra a ser um dos defensores mais requisitados por autoridades encrencadas no braço fluminense da operação. Bancas de advocacia alimentavam rumores de que ele tinha tratamento privilegiado de Bretas, suspeita que o levou a ser acusado de tráfico de influência e gerou uma ordem de busca e apreensão em endereços ligados a ele. Em uma leva de diálogos encontrados no telefone do advogado e recebidos pelo CNJ, a hoje deputada federal Danielle Cunha, filha do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, cobra explicações de Nythalmar após atribuir a ele o vazamento de provas de uma operação policial. “Vc vazou provas. Ainda comprometeu a pessoa da operação. Qual o nexo disso???”, escreveu a parlamentar em maio de 2020. A partir da data, a PF depreendeu que ela estivesse se referindo à operação que investigou deputados estaduais do Rio, entre os quais o hoje senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ), mas não há certeza.

MENSAGENS - Danielle Cunha e Nythalmar: a deputada federal atribui ao advogado o “vazamento de provas” de operação -
MENSAGENS - Danielle Cunha e Nythalmar: a deputada federal atribui ao advogado o “vazamento de provas” de operação – (Vagner Rosario; Marcos Tristão/.)

Procurado, o advogado não se pronunciou. Danielle disse não se lembrar exatamente do que tratava nas mensagens, negou que falasse da operação que atingiu Flávio Bolsonaro e afirmou que Nythalmar, que também defendia Eduardo Cunha, gostava de vazar para a imprensa informações sobre seus clientes. Uma das peças mais importantes do processo contra o juiz da Lava-­Jato é a delação feita pelo próprio Nythalmar. Na colaboração, ele afirma que Bretas prometeu “aliviar” a pena de um empresário caso ele aceitasse fazer uma delação. A lei proíbe que juiz se envolva na produção de provas. O corregedor Luis Felipe Salomão elencou o caso de Bretas como prioridade número 1 do CNJ, rompendo críticas de que investigações sensíveis eram sempre deixadas de lado pelo órgão. Criado há dezoito anos, o CNJ abriu mais de uma centena de processos contra juízes e em pouco mais da metade impôs alguma penalidade aos investigados. Marcelo Bretas pode ser o personagem mais vistoso dessa lista.

Publicado em VEJA de 1º de março de 2023, edição nº 2830

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.