Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘Tropa da anistia’ contou com reforço de condenado no mensalão

Ex-deputado Valdemar Costa Neto articulou, na sede do PR, texto que pode salvar o pescoço dos políticos que receberam caixa dois

Um único assunto dominou os principais gabinetes no Congresso Nacional nesta semana: a temida delação dos executivos da Odebrecht e o efeito devastador do detalhamento do esquema de pagamento de propina a políticos dos mais diversos matizes. Em um movimento multipartidário, formou-se uma tropa em busca de algum tipo de blindagem ao estrago que a cada dia se aproxima. A solução foi sacar dos bastidores uma proposta de anistia ao crime de caixa dois e torná-la pública revestida com ares de moralidade, dentro de um pacote de medidas anticorrupção.

Para isso, advogados de políticos enrolados no esquema se mobilizaram às pressas para discutir o texto. A portas fechadas, o clima era de tensão total: “A delação da Odebrecht vai ferrar todo mundo. Precisamos ver isso [a anistia]”, repetiam deputados, apreensivos. Relator das 10 medidas contra a corrupção, o deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS) recebeu um telefonema, aos gritos, do líder de seu partido, Pauderney Avelino (AM). Era chamado de traidor por não acatar as mudanças sugeridas ao projeto proposto pelo Ministério Público. Do outro lado da Câmara, já havia um batalhão de senadores a postos para aprovar a medida tão logo ela saísse da Casa.

A cinco quilômetros do Congresso Nacional, um nome já conhecido da Justiça por suas traficâncias com dinheiro público também se movimentava para impor um duro revés à Operação Lava-Jato. Valdemar Costa Neto, ex-deputado condenado no julgamento do mensalão a sete anos e dez meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, reunia na sede do Partido da República (PR) deputados para discutir caminhos de sobrevivência.

Uma das propostas foi derrubar, ainda na comissão, o relatório de Lorenzoni e apresentar um novo texto que trazia a anistia a reboque da tipificação do crime de caixa dois. Presidente do Conselho de Ética, justamente o órgão responsável por fiscalizar o decoro dos congressistas, o deputado José Carlos Araújo (PR-BA) foi escolhido por Valdemar Costa Neto para comandar um texto alternativo ao do relator.

Na véspera da votação, Araújo ensaiou o discurso repetido entre aqueles que querem a anistia: se ainda não há uma tipificação, não há crime. Ele admite ter sido questionado se assinaria uma medida com essa redação, mas nega que o ex-presidente do PR tenha sido porta-voz da proposta. Araújo também admite que se reuniu com Valdemar nesta semana, mas afirma que o assunto esteve restrito à prestação de contas do diretório do partido na Bahia. “Não houve essa articulação”, resumiu à reportagem.

Em outra frente de atuação, na terça-feira Valdemar Costa Neto recebeu deputados na sede do partido, entre eles o líder do PTB, Jovair Arantes (GO), e do PR, Aelton Freitas (MG). Saíram de lá com a redação da anistia em mãos e entregaram para líderes do chamado centrão, um bloco com 12 partidos formado por mais de 200 deputados, durante um almoço na casa de Jovair. Também visitou o local o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações, Gilberto Kassab (PSD). Ele nega, porém, que tenha tratado sobre a emenda. Segundo sua assessoria, ele participou do encontro apenas para anunciar a candidatura de Rogério Rosso (PSD) à presidência da Câmara.

O PR tem interesse direto em se blindar. Em acordo de delação, Fernando Cavendish, dono da construtora Delta Engenharia, negocia vincular o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), um dos braços do Ministério dos Transportes, historicamente ligado ao partido, ao pagamento de propinas a políticos. O acordo de colaboração se dá no âmbito da Operação Saqueador, da qual o empresário foi alvo em junho deste ano.

Em nota, Valdemar Costa Neto afirmou que é comum a frequência de parlamentares na sede do Partido da República, inclusive para realização de reuniões com deputados de outras legendas, e disse atender a todos que o procuram “no horário de expediente”. Valdemar afirma restringir “sua atuação aos limites da atividade profissional que desempenha como funcionário responsável pela administração do Partido da República”.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Ramiro Rodrigues

    Temos sangue de barata sim ou não ? Então vamos reagir antes que seja tarde pressão neles já é agora ou nunca

    Curtir

  2. Ramiro Rodrigues

    Temos sangue de barata sim ou não?

    Curtir

  3. Juvenil Neves

    Vejam a desfaçatez, a canalhice, a falta de moral e ética, a bandidagem, a falta de compromisso com o certo e o direito do povo, o conluiu com o ilícito dos partidos políticos brasileiro. O indivíduo da reportagem já foi condenado e continua “mandando” e “atuando no partido político. Com isso, contamina e mostra que todos estão envolvidos em falcatruas.

    Curtir

  4. joao pereira de oliveira

    Sociedade precisamos acordar e aprender defender nossos direitos, não podemos esperar só do MPF e MORO, precisamos juntar-se a eles contra esses bandos de politicos corruptos, porque a ratazana está preparando sujeira. STF acorda até quando vai deixar Renan fazendo falcatruas.

    Curtir

  5. Só extinguindo esses delinquentes, porquê se ass não for, eles sempre voltam !!

    Curtir

  6. Suad Coury Maia de Carvalho

    Valdemar Costa Neto, vulgo Boy. Perigosíssimo. Bandidaço ainda dando cartas.

    Curtir

  7. Eduardo Azevedo

    somos todos uns covardes!!! aceitar isso destes crápulas e ficar calado, é brincadeira, vamos nos unir, e lutar.contra esta patifaria.

    Curtir

  8. Eduardo Azevedo

    não acredito que vamos aceitar esta patifaria. esta mais que na hora de invadirmos BRASÍLIA.

    Curtir

  9. Eduardo Azevedo

    por onde anda o VEM
    Por onde anda o movimento VEM PRA RUA

    Curtir