Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Transpetro beneficiou reduto político de ex-presidente

Fortaleza, reduto do ex-senador Sérgio Machado, foi o município que mais recebeu dinheiro de patrocínio cultural da subsidiária da Petrobras

Reduto político de Sérgio Machado, que presidiu a Transpetro até a semana passada, Fortaleza foi o município que mais recebeu dinheiro de patrocínio cultural da subsidiária de transporte e logística da Petrobras no período de 2010 a 2014, depois de São Paulo e Rio. Citado na Operação Lava Jato, ele renunciou ao cargo após três períodos de licença.

Dados divulgados no site da empresa revelam que nos últimos cinco anos, o ex-deputado e ex-senador, eleito nos anos 1990 no Ceará pelo PSDB e desde 2001 filiado ao PMDB, liberou 568.000 reais, em valores corrigidos pela inflação oficial, para projetos na capital cearense. O valor supera o total gasto em São Sebastião (SP), principal polo de atuação da empresa. Lá foram gastos 520.000 reais no mesmo período, em valores também atualizados. Os valores estão no site da Transpetro e se referem ao período de 2010 a 2014. Não há dados relativos à fase anterior da gestão de Machado, iniciada em 2003, primeiro ano do governo Luiz Inácio Lula da Silva.

Leia também:

A boa vida dos operadores do petrolão

Lobista foragido se entrega à Polícia Federal

PT desviou meio bilhão de reais dos cofres da Petrobras

Fortaleza tem um único terminal de movimentação de petróleo e combustíveis, o de Mucuripe, focado no atendimento à Lubnor, refinaria de pequeno porte que fabrica asfalto e lubrificante. Já pelo terminal de São Sebastião passa todo o petróleo nacional e importado processado nas quatro refinarias da Petrobras instaladas em São Paulo, entre elas a maior do país, a Replan.

O critério da Transpetro para patrocinar projetos culturais é privilegiar os relacionados a seu negócio principal, o setor marítimo, e os locais onde atua. Mas os valores destinados não são proporcionais à relevância dos municípios em termos de negócios. Além disso, há cidades beneficiadas sem instalações da empresa.

Natal – Em Fortaleza, a maior parte do dinheiro foi gasta em concertos de Natal. Em 2010 e 2011, o evento promovido pelo Instituto de Promoção da Nutrição e do Desenvolvimento Humano recebeu 30.000 reais por ano (39.400 reais e 36.400 reais em valores corrigidos, respectivamente). Em 2012, foram 130.000 reais (150.000 reais atuais). Além disso, a Transpetro pagou 100.000 reais (ou 115.000 reais hoje) à empresa carioca Bressane Conforti Produções, com o mesmo objetivo.

Segundo o site da Transpetro, esse contrato vigorou de dezembro de 2012 a dezembro de 2013. O objeto do patrocínio é um único dia de concerto, realizado em 9 de dezembro de 2012, na catedral metropolitana de Fortaleza. Em 2011, a mesma produtora recebera 120.000 reais (153.000 reais, corrigidos) para produzir peças teatrais educativas no Museu Naval do Rio, por um ano.

Além do Natal, a Transpetro investiu em Fortaleza 50.000 reais (65.000 reais atuais) em um congresso de radiodifusão, em 2010; 150.000 reais (185.000 reais) em seminário sobre administração pública, no ano seguinte; e 80.000 reais (93.000 reais) em feira e seminário de meio ambiente e sustentabilidade em 2012.

Machado também patrocinou a cultura de três cidades administradas, na época dos contratos, por políticos do PMDB e sem instalações da Transpetro. Araçatuba (SP), Joinville (SC) e Porto Alegre (RS) foram beneficiadas com 614.300 reais em preços corrigidos.

Em Joinville, o prefeito petista Carlito Merss foi substituído em 2012 pelo peemedebista Udo Dohler. Na gestão do PT, a feira do livro local recebeu da Transpetro 20.000 reais (24.000 reais). Em 2013, já na prefeitura do PMDB, o evento passou a receber 100.000 reais (112.000 reais).

A Transpetro investiu 300.000 reais (391.000 reais) em Araçatuba. Nessa cidade, Machado e o prefeito Cido Sério (PMDB) foram denunciados pelo Ministério Público Federal, acusados de fraudar licitação para a construção de 20 comboios de transporte de etanol, no valor de 423 milhões de reais. Procurada no domingo à tarde, a Transpetro informou que não haveria tempo útil para responder aos questionamentos da reportagem e que prestaria esclarecimentos sobre o caso hoje.

(Com Estadão Conteúdo)