Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

TJ-SP confirma absolvição de Vaccari no caso Bancoop  

Além do ex-tesoureiro do PT, foram absolvidos em segunda instância o empreiteiro Léo Pinheiro, da OAS, e outros dez réus

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) confirmou nesta quinta-feira, 1, a absolvição sumária do ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, do empreiteiro Léo Pinheiro, da OAS, e de mais dez acusados pelo Ministério Público Estadual por suposto crime de estelionato em quatro grandes empreendimentos da Cooperativa Habitacional dos Bancários (Bancoop), entre eles o polêmico Condomínio Solaris, no Guarujá (SP). A decisão foi tomada por unanimidade pelos desembargadores da 10ª Câmara Criminal do TJ.

Os réus eram acusados de lesar cooperados à espera de imóveis construídos pela Bancoop e de transferência ilegal de imóveis para a OAS. Neste caso, a promotoria chegou a acusar e a pedir a prisão preventiva do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, atribuindo a ele a propriedade de um tríplex do Solaris. Esta parte da acusação, porém, foi remetida para Curitiba, base da Operação Lava Jato. O petista não era acusado na ação julgada nesta quinta.

Vaccari, Léo Pinheiro e os outros dez réus – executivos da empreiteira e ex-dirigentes da Bancoop – haviam sido absolvidos sumariamente em abril de 2017 pela juíza Maria Priscilla Ernandes Veiga Oliveira, da 4ª Vara Criminal de São Paulo. O Ministério Público apelou ao TJ contra a sentença de Maria Priscilla, mas os desembargadores da 10ª Câmara Criminal confirmaram a decisão de primeira instância. A decisão no TJ-SP foi unânime, tomada a partir do voto do relator, Nuevo Campos.

‘Justiça’, diz advogado

O criminalista Luiz Flávio Borges D’Urso, que defende João Vaccari Neto, afirma que o tribunal “fez justiça à luz dos elementos constantes dos autos”. “O sr. Vaccari é inocente”, diz D’Urso.

“Durante o processo ficou demonstrado que o sr. Vaccari, à frente da Bancoop, saneou a cooperativa e viabilizou a entrega dos apartamentos aos cooperados, inclusive por meio de acordos com o Ministério Público, homologados pelo Judiciário”, destaca o criminalista.

 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Paulo Bandarra

    Olha, vou dizer, estes cooperados não dão para aguentar. 3000 que só porque pagaram querem receber suas unidades! Pobre do Vaccari. Vítima desta gente.

    Curtir