Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

‘Temos de desconstruir muita coisa’, diz Bolsonaro a americanos de direita

Presidente se diz ungido 'pela vontade de Deus" e atribui a seu guru, Olavo de Carvalho, a responsabilidade pela 'revolução' que está liderando no Brasil

Por Denise Chrispim Marin - Atualizado em 18 mar 2019, 15h04 - Publicado em 18 mar 2019, 14h35

O presidente Jair Bolsonaro declarou na noite de domingo, 17, em Washington, que seu governo terá a missão de “desconstruir” e “desfazer muita coisa” no Brasil, em uma referência às obras e projetos que considera ter seguido a lógica e o propósito “comunista”. A mensagem teve como alvos oito americanos conservadores, o guru da ala civil de seu governo, Olavo de Carvalho, e os seis ministros que o acompanham nesta sua primeira visita internacional.

Bolsonaro vai se encontrar na terça-feira, 19, com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, na Casa Branca.

“O Brasil não é um terreno aberto, onde nós pretendemos construir coisas para o nosso povo”, afirmou, conforme vídeo divulgado pelo seu filho, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), em seu perfil no Twitter. “Nós temos de desconstruir muita coisa, de desfazer muita coisa para depois recomeçarmos a fazer”, completou o presidente, durante jantar oferecido aos formadores de opinião conservadores na Embaixada do Brasil em Washington.

A organização do evento colocou Olavo de Carvalho à direita do presidente brasileiro, lugar tradicionalmente reservado ao convidado de honra. Na noite anterior, em outro jantar oferecido pelo ex-estrategista da Casa Branca Steve Bannon ao deputado Eduardo Bolsonaro, Carvalho havia dito que, se o governo continuar como está, cairá em seis meses.

Publicidade

Na sala de jantar da embaixada, ciente ou não dessa declaração, Bolsonaro fez questão de homenagear seu convidado especial, dizendo ser Carvalho o responsável, “em grande parte, pela revolução que estamos vivendo”. Entre seus elogios, porém, confundiu-se com as expressões “ter admiração a” e “ser admirado por”. Ovalo de Carvalho não deu sinais de ter percebido.

“O que sempre sonhei foi libertar o Brasil da influência nefasta da esquerda. Um dos grandes admiradores meus está aqui à minha direita: o professor Olavo de Carvalho, que é admirador de muitos jovens no Brasil”, disse.

Bolsonaro apresentou-se a seus convivas como o brasileiro ungido pela “vontade de Deus” para estancar a suposta caminhada do Brasil para “o socialismo, o comunismo”. Reiterou a eles o lema bíblico de sua campanha eleitoral: “Conheças a verdade e a verdade te libertará”, do capítulo 8 do Evangelho de São João.

“Confesso que a Presidência aconteceu. Há quatro anos, quando eu decidi me candidatar a presidente, nem minha mulher acreditava”, afirmou. “Que eu sirva para ser um ponto de inflexão, já estou muito feliz”, completou.

Publicidade

À mesa, estavam presentes Gerald Brant, diretor do fundo de investimentos Pantera Capital, e Steve Bannon, que caiu em desgraça e foi demitido da Casa Branca pelo presidente americano, Donald Trump. O acadêmico conservador americano Walter Russell Mead, a colunista e membro do conselho editorial do Wall Street Journal, Mary Anastasia O’Grady, e o editor da revista literária The New Criterion, Roger Kimball também estavam presentes.

A lista de americanos convidados foi fechada por Chris Buskirk, editor do site conservador American Greatness, David Shedd, pesquisador da Fundação Heritage, e Matt Schlapp, presidente da União Conservadora Americana.

Publicidade