Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Temer elogia Dilma: ‘É uma senhora correta, honesta’

Em entrevista, presidente também fez uma avaliação da relação de sua administração com o Congresso: "Eu fiz um governo semiparlamentarista"

Por Da redação Atualizado em 17 dez 2018, 20h46 - Publicado em 17 dez 2018, 09h25

O presidente Michel Temer (MDB) elogiou sua antecessora, Dilma Rousseff (PT), e minimizou os protestos que recebeu após o processo de impeachment que o levou ao poder. “Eu tenho a impressão de que ela é uma senhora correta, honesta. Eu não tenho essa impressão de que ela seja alguém que chegou ao governo para se apropriar das coisas públicas. Nunca tive essa impressão e confesso que continuo não tendo”, afirmou Temer ao programa Poder em Foco, do SBT.

Em entrevista ao programa, Temer também fez uma avaliação da relação de sua gestão com o Congresso, que derrubou duas denúncias do Ministério Público Federal. “Eu fiz um governo semiparlamentarista e trouxe o Congresso para governar comigo, algo que no passado não acontecia”, disse o presidente, que defendeu seu estilo. “Não tem nada de toma lá dá cá. Essa história foi criada. As pessoas não percebem que as emendas parlamentares são impositivas”, disse o presidente, em referência à liberação de verba para deputados.

  • Sobre o futuro governo Bolsonaro, Temer afirmou ter uma “expectativa positiva”. “Há um momento em que o povo quer mudar tudo. Quando Lula foi eleito, foi assim. E mudaram. E essa mudança persistiu por vários anos. Agora, optou-se por uma forma ‘contra tudo o que estava aí’. Acho que o governo vai votar a reforma da Previdência no começo do ano que vem”, afirmou o presidente.

    Ao comentar as denúncias de corrupção que atingiram seu governo, detonadas a partir da divulgação de uma conversa que teve com o empresário Joesley Batista, Temer reafirmou que o caso foi uma armação para impedir a aprovação da reforma da Previdência. “Quando eu sair da Presidência, o foco não será mais político, vai para o foco jurídico. Não é nem preocupação minha, nem dos advogados. Essa denúncia gerou duas manifestações da Câmara como se fosse um pedido de impeachment. E o que a Câmara fez? Negou”, afirmou o presidente, que também descartou mudar-se para Portugal ao final de seu mandato.

    Continua após a publicidade
    Publicidade