Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Suspeitas envolvendo Bivar mobilizam Bolsonaro

Presidente demonstrou preocupação com notícia de que presidente do PSL usou notas frias para justificar gastos de atividade parlamentar

As novas denúncias envolvendo o presidente do PSL, o deputado Luciano Bivar (PE), mobilizaram neste sábado o presidente Jair Bolsonaro e dirigentes do partido. O presidente tem demonstrado preocupação com o impacto em sua imagem dos casos relacionados à legenda (alvo de investigações envolvendo suspeitas de candidaturas laranjas em Minas e em Pernambuco, Estado de Bivar). Aliados de Bolsonaro cogitam a possibilidade de agir para forçar a saída de Bivar do comando da sigla, mas parte da bancada do PSL no Congresso articula para barrar o movimento. 

Segundo reportagem do jornal Folha de S. Paulo, Bivar apresentou à Câmara e ao Tribunal Superior Eleitoral notas fiscais de duas empresas que vendem esse tipo de documento. As notas frias teriam sido usadas pelo parlamentar para justificar gastos com a atividade parlamentar. 

Na manhã de ontem, Bolsonaro discutiu o assunto com o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) e os advogados Karina Kufa e Antônio de Rueda. Kufa atuou na defesa do presidente nas eleições e advoga para o PSL nacional; já Flávio e Rueda presidem o diretório do PSL do Rio e de Pernambuco, respectivamente. O encontro foi no Palácio do Alvorada e durou duas horas.

Segundo deputados e interlocutores do presidente, Bolsonaro tem afirmado não compactuar com as denúncias que envolvem o PSL. O presidente chegou a dizer ser insuportável pertencer a um partido com escândalos. Aliados de Bolsonaro defendem que Bivar deixe o comando da sigla. Se isso não acontecer, uma das saídas passaria por uma iniciativa dos parlamentares que poderiam protocolar uma representação contra Bivar para convocar uma convenção partidária e fazer nova eleição interna. 

Questionado sobre uma possível saída de Bivar do PSL, o presidente desconversou. “Não sei de nada, não”, falou a jornalistas no início da noite de sábado ao deixar o Palácio do Alvorada em direção à Granja do Torto. Apesar do desconforto causado pelas suspeitas de irregularidades, a bancada do PSL no Congresso não indica que apoiaria um movimento para afastar Bivar. A reportagem apurou que, no grupo de WhatsApp que reúne a bancada, cerca de dez deputados apoiaram Bivar e o restante não emitiu opiniões. 

Defesa – O deputado Alexandre Frota (PSL-SP) saiu em defesa de Bivar. “Nunca vou trabalhar para afastar o Bivar. Ele tem todo o meu apoio, até que me provem o contrário. Ele é o meu presidente. Estamos sob ataque nesse momento e precisamos aguentar. A guerra é para os fortes. Querem tomar o PSL na marra, agora também a (direção) Nacional. Já estão tomando a Estadual. O PSL é um barril de pólvora que vai explodir.”

O líder do governo na Câmara, major Vitor Hugo (PSL-GO), esteve com Bolsonaro no Alvorada após o encontro do presidente com os advogados e seu filho. Na saída, afirmou que o partido ainda não se reuniu para discutir os impactos das denúncias. “Ainda não houve reunião do partido após essas novas denúncias ou suspeitas mas isso vai ser tratado. A gente não tem uma posição neste momento”, disse. “Ele (Bivar) vai ter possibilidade de defesa e provar aí sua inocência.” As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

(Com Estadão Conteúdo)