Clique e assine a partir de 9,90/mês

STF manda sequestrar bens do deputado Arthur Lira e do senador Benedito de Lira

Parlamentares do PP foram citados por três delatores da Operação Lava Jato e terão bens sequestrados a pedido da PF

Por Da Redação - 24 fev 2016, 15h38

O Supremo Tribunal Federal (STF) determinou o sequestro de bens do presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, deputado Arthur Lira (PP-AL), e do seu pai, o senador Benedito de Lira (PP-AL), ambos investigados pela Operação Lava Jato.

O pedido partiu da Polícia Federal e a decisão determina que o deputado terá seus bens sequestrados até a quantia de 2,6 milhões de reais, enquanto que o senador, até o limite de 1,6 milhão de reais.

O ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato no STF, determinou que o Banco Central seja informado imediatamente da medida judicial para operacionalizar junto às instituições financeiras em que os dois políticos mantêm contas a retenção dos correspondentes valores.

LEIA TAMBÉM:

Continua após a publicidade

Marqueteiro do PT recebeu 1,5 milhão de dólares na Suíça durante campanha de Dilma

Ricardo Pessoa, dono da UTC, diz que depositava propina na conta do PT

O sequestro patrimonial do deputado é maior do que o do seu pai porque as investigações apontaram para o fato de que ele teria pedido, em 2011, ao empreiteiro Ricardo Pessoa, da UTC, 1 milhão de reais. O empreiteiro é um dos delatores do esquema de corrupção na Petrobras pelo qual as empresas distribuíam propina a políticos em troca de obras na petroleira.

Os parlamentares do PP foram citados por três delatores da Lava Jato: o doleiro Alberto Youssef, o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa e o empreiteiro Ricardo Pessoa. De acordo com Youssef, Arthur Lira teve uma dívida de 200.000 reais paga através do esquema.

Continua após a publicidade

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade